Carregando Idioma...

Alta Idade Média no ENEM

Estude de graça com resumos e exercícios no blog. Faça Aprofundamento na plataforma.

Alta Idade Média no ENEM

 

1. (Enem 2014)  Sou uma pobre e velha mulher,

Muito ignorante, que nem sabe ler.

Mostraram-me na igreja da minha terra

Um Paraíso com harpas pintado

E o Inferno onde fervem almas danadas,

Um enche-me de júbilo, o outro me aterra.

 

VILLON. F. In: GOMBRICH, E. História da arte. Lisboa: LTC. 1999.

 

Os versos do poeta francês François Villon fazem referência às imagens presentes nos templos católicos medievais. Nesse contexto, as imagens eram usadas com o objetivo de

a) refinar o gosto dos cristãos.   

b) incorporar ideais heréticos.   

c) educar os fiéis através do olhar.   

d) divulgar a genialidade dos artistas católicos.   

e) valorizar esteticamente os templos religiosos.   

 

 

Resposta:

 

[C]

 

As imagens das igrejas católicas do Medievalismo serviam para ensinar os fiéis os perigos advindos da prática imperfeita da religião e os benefícios adquiridos a partir da boa prática. O trecho “Um Paraíso com harpas pintado, E o Inferno onde fervem almas danadas, Um enche-me de júbilo, o outro me aterra” é demonstrativo disso.

 

 

 

 

2. (Enem 2019)  O cristianismo incorporou antigas práticas relativas ao fogo para criar uma festa sincrética. A igreja retomou a distância de seis meses entre os nascimentos de Jesus Cristo e João Batista e instituiu a data de comemoração a este último de tal maneira que as festas do solstício de verão europeu com suas tradicionais fogueiras se tornaram “fogueiras de São João”. A festa do fogo e da luz no entanto não foi imediatamente associada a São João Batista. Na Baixa Idade Média, algumas práticas tradicionais da festa (como banhos, danças e cantos) foram perseguidas por monges e bispos. A partir do Concílio de Trento (1545-1563), a Igreja resolveu adotar celebrações em torno do fogo e associá-las à doutrina cristã.

 

CHIANCA, L. Devoção e diversão: expressões contemporâneas de festas e santos católicos. Revista Anthropológicas, n. 18, 2007 (adaptado).

 

 

Com o objetivo de se fortalecer, a instituição mencionada no texto adotou as práticas descritas, que consistem em

a) promoção de atos ecumênicos.    

b) fomento de orientação bíblicas.    

c) apropriação de cerimônias seculares.    

d) retomada de ensinamentos apostólicos.    

e) ressignificação de rituais fundamentalistas.    

 

 

Resposta:

 

[C]

 

Após a adoção do Cristianismo como religião oficial na Europa Ocidental e, principalmente, a partir do início do Feudalismo (século V), a Igreja Católica, diante da necessidade de conversão dos pagãos à nova religião, acabou por sincretizar celebrações seculares (ou seja, pagãs) aos ritos católicos.

 

 

 

 

3. (Enem 2018)  Então disse: “Este é o local onde construirei. Tudo pode chegar aqui pelo Eufrates, o Tigre e uma rede de canais. Só um lugar como este sustentará o exército e a população geral”. Assim ele traçou e destinou as verbas para a sua construção, e deitou o primeiro tijolo com sua própria mão, dizendo: “Em nome de Deus, e em louvor a Ele. Construí, e que Deus vos abençoe”.

 

AL-TABARI, M. Uma história dos povos árabes. São Paulo: Cia. das Letras. 1995 (adaptado).

 

 

A decisão do califa Al-Mansur (754-775) de construir Bagdá nesse local orientou-se pela 

a) disponibilidade de rotas e terras férteis como base da dominação política.    

b) proximidade de áreas populosas como afirmação da superioridade bélica.    

c) submissão à hierarquia e à lei islâmica como controle do poder real.    

d) fuga da península arábica como afastamento dos conflitos sucessórios.    

e) ocupação de região fronteiriça como contenção do avanço mongol.    

 

 

Resposta:

 

[A]

 

Ao mudar a capital do Império Árabe de Damasco para Bagdá, o califa Al-Mansur levou em consideração a geografia do lugar e o quanto ela favoreceria as práticas econômicas e comerciais do Império.

 

 

 

 

4. (Enem 2015) 

Os calendários são fontes históricas importantes, na medida em que expressam a concepção de tempo das sociedades. Essas imagens compõem um calendário medieval (1460-1475) e cada uma delas representa um mês, de janeiro a dezembro. Com base na análise do calendário, apreende-se uma concepção de tempo

a) cíclica, marcada pelo mito arcaico do eterno retorno.   

b) humanista, identificada pelo controle das horas de atividade por parte do trabalhador.   

c) escatológica, associada a uma visão religiosa sobre o trabalho.   

d) natural, expressa pelo trabalho realizado de acordo com as estações do ano.   

e) romântica, definida por uma visão bucólica da sociedade.   

 

 

Resposta:

 

[D]

 

Nota-se, pelas imagens, que os homens medievais contavam seu tempo através dos ciclos agrícolas, denotando, assim, uma concepção de tempo natural.

 

 

 

 

5. (Enem 2015)  A casa de Deus, que acreditam una, está, portanto, dividida em três: uns oram, outros combatem, outros, enfim, trabalham. Essas três partes que coexistem não suportam ser separadas; os serviços prestados por uma são a condição das obras das outras duas; cada uma por sua vez encarrega-se de aliviar o conjunto... Assim a lei pode triunfar e o mundo gozar da paz.

 

ALDALBERON DE LAON. In: SPINOSA, F. Antologia de textos históricos medievais. Lisboa: Sá da Costa, 1981.

 

 

A ideologia apresentada por Aldalberon de Laon foi produzida durante a Idade Média. Um objetivo de tal ideologia e um processo que a ela se opôs estão indicados, respectivamente, em:

a) Justificar a dominação estamental / revoltas camponesas.   

b) Subverter a hierarquia social / centralização monárquica.   

c) Impedir a igualdade jurídica / revoluções burguesas.   

d) Controlar a exploração econômica / unificação monetária.   

e) Questionar a ordem divina / Reforma Católica.   

 

 

Resposta:

 

[A]

 

A ideologia apresentada no texto tem como objetivo reforçar a divisão estamental da Idade Média – “uns oram, outros combatem, outros, enfim, trabalham”. E os movimentos que mais se opuseram a isso foram as Revoltas Camponesas.

 

 

 

 

6. (Enem 2009)  Hoje em dia, nas grandes cidades, enterrar os mortos é uma prática quase íntima, que diz respeito apenas à família. A menos, é claro, que se trate de uma personalidade conhecida. Entretanto, isso nem sempre foi assim. Para um historiador, os sepultamentos são uma fonte de informações importantes para que se compreenda, por exemplo, a vida política das sociedades.

No que se refere às práticas sociais ligadas aos sepultamentos,

a) na Grécia Antiga, as cerimônias fúnebres eram desvalorizadas, porque o mais importante era a democracia experimentada pelos vivos.   

b) na Idade Média, a Igreja tinha pouca influência sobre os rituais fúnebres, preocupando-se mais com a salvação da alma.   

c) no Brasil colônia, o sepultamento dos mortos nas igrejas era regido pela observância da hierarquia social.   

d) na época da Reforma, o catolicismo condenou os excessos de gastos que a burguesia fazia para sepultar seus mortos.   

e) no período posterior à Revolução Francesa, devido as grandes perturbações sociais, abandona-se a prática do luto.   

 

 

Resposta:

 

[C]

 

Na Europa, os sepultamentos dentro das igrejas eram comuns até a época da peste negra. No Brasil colonial e imperial os sepultamentos existiram até o ano 1820, quando foram proibidos, momento que construíram os primeiros cemitérios. O sepultamento era restrito aos homens livres. Negros (escravos) e os indigentes eram enterrados. A difirenciação no tratamento dispensado ao mortos, evidencia a forte hierarquização existente na sociedade colonial do Brasil.

 

 

 

 

7. (Enem 2009)  A Idade Média é um extenso período da História do Ocidente cuja memória é construída e reconstruída segundo as circunstâncias das épocas posteriores. Assim, desde o Renascimento, esse período vem sendo alvo de diversas interpretações que dizem mais sobre o contexto histórico em que são produzidas do que propriamente sobre o Medievo.

Um exemplo acerca do que está exposto no texto acima é

a) a associação que Hitler estabeleceu entre o III Reich e o Sacro Império Romano Germânico.   

b) o retorno dos valores cristãos medievais, presentes nos documentos do Concílio Vaticano II.   

c) a luta dos negros sul-africanos contra o apartheid inspirada por valores dos primeiros cristãos.   

d) o fortalecimento político de Napoleão Bonaparte, que se justificava na amplitude de poderes que tivera Carlos Magno.   

e) a tradição heroica da cavalaria medieval, que foi afetada negativamente pelas produções cinematográficas de Hollywood.   

 

 

Resposta:

 

[A]

 

A questão alude à inspiração de Hitler para a construção do III Reich, no Sacro Império Romano Germânico, união de territórios de população predominantemente germânica da Europa Central remanescente do Império de Carlos Magno que perdurou da Idade Média até o início da Idade Contemporânea sob a autoridade do Sacro Imperador Romano (I Reich). O II Reich compreeende o Império Alemão entre 1871 e 1914, resultante do processo de unificação da Alemnha iniciado em meados do século XIX.

 

 

 

 

8. (Enem 2002)  O ano muçulmano é composto de 12 meses, dentre eles o Ramadã, mês sagrado para os muçulmanos que, em 2001, teve início no mês de novembro do Calendário Cristão, conforme a figura que segue.

Considerando as características do Calendário Muçulmano, é possível afirmar que, em 2001, o mês Ramadã teve início, para o Ocidente, em

a) 01 de novembro.   

b) 08 de novembro.   

c) 16 de novembro.   

d) 20 de novembro.   

e) 28 de novembro.   

 

 

Resposta:

 

[C]

 

O Calendário Islâmico é baseado no mês lunar, iniciado no dia seguinte ao da lua nova, que é justamente o início da fase crescente. Baseado nesta informação, que não foi fornecida no enunciado, concluímos que o mês do Ramadã se iniciou em 16 de novembro.