Carregando Idioma...

O REINO DOS FRANCOS E O IMPÉRIO CAROLÍNGIO

Estude História grátis: simulados, listas, mapas mentais, resumos e vídeo aulas. Também aprofundamento para quem quer ir mais longe.

O REINO DOS FRANCOS E O IMPÉRIO CAROLÍNGIO

A partir do século V, a Europa ocidental passou a ser dividida em diversos reinos, resultado da invasão de povos, sobretudo de origem germânica. Entre as principais características desses reinos estava a descentralização do poder. Compostos por inúmeros feudos independentes, o que dava unidade ais reinos eram as tradições herdadas tento dos romanos quanto dos povos germânicos. O rei dividia o poder com os nobres, devendo se submeter às obrigações mútuas estabelecidas pelo sistema de suserania e vassalagem. De todos os reinos criados com as invasões dos povos germânicos, o mais duradouro foi o dos francos, formado na região da Gália (França atual), ainda na época do Império Romano. Assumindo características diferentes das dos outros reinos germânicos e fortemente apoiado pela Igreja Cristã, o Reino dos francos constituiu-se aos poucos em um verdadeiro império.

1.OS MEROVÍNGIOS:

Um dos primeiros reis dos francos foi Clóvis (481-511). A dinastia da qual fazia parte se chamou merovíngia, por causa de Meroveu, seu avô.

Com a conversão de Clóvis ao catolicismo em 496, os francos atraíram o apoio do clero. Isso fez com que passassem a ser aceitos pela população romanizada e cristianizada, o que garantia maior unidade ao reino. A conversão também estabelecia uma aliança entre a autoridade, representada pela Igreja, e o poder político-militar. Por muito tempo após a morte de Clóvis, seus sucessores, apesar das lutas internas, conseguiram permanecer fortes o bastante para manter a unidade do reino. A partir de 639, contudo, os reis merovíngios distanciaram-se das funções políticas e administrativas. Por isso tornaram-se conhecidos como “indolentes”. O poder de fato passou a ser exercido pelo majordomus, o “administrator do palácio”, principal funcionário do reino e espécie de líder dos nobres.

Um dos mais destacados majordomus foi Carlos Martel, que comandou os francos na vitória sobre os árabes na batalha de Poitiers, em 732, interrompendo o avanço desse povo na Europa. Seu filho, Pepino, o Breve, após fortalecer a aliança político-militar com a Igreja Católica, afastou definitivamente os merovíngios do poder. Proclamou-se rei e foi consagrado pelo próprio papa. Nessa época, se achava ameaçada pelos lombardos e pelos bizantinos, que dominavam parte da península Itálica. A pedido do papa, Pepino invadiu a região e derrotou os lombardos. Em seguida, tomou terras aos bizantinos e incorporou-as aos domínios do papado. Acrescidos assim das novas terras conquistadas por Pepino, tais domínios, situados na parte central da península Itálica, passaram a constituir os chamados Estados pontifícios, mantidos sob o controle direto do papa até o século XIX. Esses acontecimentos deram início à dinastia carolíngia, chamada assim por causa do reino de Carlos Magno (768-8140).

2. O IMPÉRIO CAROLÍNGIO:

Carlos Magno, filho de Pepina, empreendeu uma série de batalhas com a intenção de obter terras para doar aos nobres do Reino Franco.

Tais doações, chamadas de benefícios, fortaleciam as relações de dependência entre os nobres e o rei. É que, pelas regras de suserania e vassalagem, ao receberem as doações em benefícios, os senhores feudais (nobres) se colocavam sob a proteção do rei, a quem deveriam prestar serviços e jurar fidelidade. Dessa forma, ao beneficiar a aristocracia (nobreza), Carlos Magno fortalecia seu próprio domínio sobre todo o reino.

Com as conquistas de Carlos Magno, o Reino Franco se expandiu e incorporou territórios do norte da Europa e da península Itálica. A força de Carlos Magno atraiu ainda mais a atenção do papa, que precisava proteger os territórios da Igreja Católica contra o ataque de inimigos. O papa também percebeu uma oportunidade de disseminar a fé cristã entre os povos conquistados pelos francos. Assim, em 800, Carlos Magno foi proclamado imperador do novo Império Romano do Ocidente pelo papa Leão III. O gesto estava revestido de duplo significado. Por meio dele, a Igreja rompia os laços mantidos com o Império Romano (ou Bizantino). Ao mesmo tempo, concretizava seu interesse em ver restaurado o antigo Império Romano.

Ao tentar restaurar o governo de um único império sobre boa parte dos povos europeus, o papa na verdade procurava garantir a supremacia de uma única Igreja, a Igreja Católica Apostólica Romana, responsável pela evangelização da humanidade. Com essa aliança, o poder monárquico incorporou nítida orientação religiosa, modificando a natureza da soberania.

Por meio de sagração da igreja, o imperador franco tornava-se uma representação de Deus dentro do reino. Cabia a ele defender a Igreja, manter a paz e a ordem.

3. CARLOS MAGNO CENTRALIZA O PODER:

A administração do Império Carolíngio era feita de modo bastante precário. A dificuldade de governar decorria da extensão do território, dos obstáculos à comunicação e da escassez de pessoal treinado. Por isso, a centralização do poder alcançada por Carlos Magno dependia, em grande parte, de sua autoridade pessoal, e não sobreviveu por muito tempo após sua morte. Durante o governo de Carlos Magno, o Império estava dividido em províncias, designadas pelo nome genérico de condados, governadas pelos condes (do latim comes, que significa companheiro), antigo título militar usado no Império Romano. Após fazer um juramento de obediência pessoal ao imperador, o conde recebia as funções de administrador, juiz e chefe militar. Sua ação era fiscalizada pela visita periódica dos missi dominici, dois funcionários – um conde e um bispo – da estrita confiança do imperador.

O Renascimento Carolíngio:

Carlos Magno estimulou a renovação cultural do reino, atraindo para sua corte, sábios de varias partes da Europa, sobretudo da península Itálica e da península Ibérica. O estímulo á cultura deu origem a um movimento conhecido como Renascimento Carolíngio. O imperador incentivou o ensino e o conhecimento, literatura e as artes. Com o apoio da Igreja, fundou escolas, entre elas a escola palatina, dentro de seu palácio. A cópia de obras greco-romanas ganhou impulso. Além disso, as técnicas de encadernamento de livros e a arte de ilustrar manuscritos por meio de pequenos desenhos, chamados iluminuras, foram largamente desenvolvidas.

Três reinos no lugar do Império:

Com a morte de Carlos Magno, em 814, o trono foi ocupado por Luiz, o Piedoso, seu único filho, que governou até 840. Morto Luís, seus três filhos entraram em guerra pelo controle do império. Depois de inúmeras lutas, foi celebrado em 843 o Tratado de Verdun, que dividiu o território do Império Franco em três partes: França Ocidental (Governada por Carlos, o Calvo), França Oriental (que ficou com Luís, o Germânico) e França Central (dominada por Lotário). Em 870, após a morte de Lotário II, filho de Lotário, a França Central foi dividida entre seus tios Carlos, o Calvo, e Luís, o Germânico.

Na França Ocidental, a dinastia carolíngia viveu um processo contínuo de enfraquecimento, em consequência das disputas pelo poder e das crescentes invasões normandas (vikings), eslavas e húngaras. Esse processo coincidiu com o fortalecimento cada vez maiores dos senhores feudais a partir da divisão do império Franco entre os netos de Carlos Magno. Os dois processos contribuíram para a descentralização do poder e para a consolidação do regime feudal. A dissolução completa da dinastia carolíngia na França Ocidental se deu em 987, quando os senhores feudais reuniram-se e escolheram Roberto Hugo Capeto, conde de Paris, para ocupar o trono. Com ele se iniciava a dinastia capetíngia.

O Sacro Império Romano-Germânico:

Na França Oriental, ocorreu processo idêntico de fragmentação. Ali, a dinastia carolíngia chegou ao fim em 911. Os maiores senhores feudais, quatro grão-duque, reunidos em assemblei, decidiram eleger um novo rei e criar nessa região o Reino Germânico. A coroa foi entregue ao grão-duque da Saxônia, Henrique I. Seu filho e sucessor, Oto, o Grande, venceu os invasores eslavos e húngaros, conquistando enorme prestigio com defensor da cristandade. Em 962, Oto foi sagrado imperador pelo papa. Nascia, assim, o Sacro Império Romano-Germânico. Apesar do título, o poder de Oto e de seus sucessores manteve-se relativamente frágil. No sacro Império, o imperador era eleito pela nobreza. Dessa forma, sua autoridade dependia diretamente de sua capacidade de negociar com os grão-duques e príncipes germânicos.

Os missi dominici:

Inspetores de Carlos Magno, um dos primeiros registros da atividade dos missi dominici data de 789. Eles eram enviados pelo rei para percorrer uma área de seis a dez condados. Deviam fiscalizar se eram cumpridas as ordens imperiais de justiça e paz. Podiam, ainda, receber as queixas dos homens livres. Concluído o trabalho, voltavam a auxiliar na administração das províncias. Quatro vezes por ano a inspeção deveria se repetida; e pouco a pouco ia crescendo o poder dos missi dominici.

Publicações Relacionadas

RELIGIÃO E CULTURA NA ORDEM FEUDAL

Alta Idade Média O MUNDO MEDIEVAL

Crise do Feudalismo: baixa idade média

A sociedade feudal

Bárbaros e Francos

Feudalismo