Carregando Idioma...

Questões Crise de 1929 e Revolução Russa

Estude História grátis: simulados, listas, mapas mentais, resumos e vídeo aulas. Também aprofundamento para quem quer ir mais longe.

Questões Crise de 1929 e Revolução Russa

 

1. (Unicamp 2020)  Na Era da Catástrofe (1914-1945), com a Grande Depressão desencadeada pela crise de 1929, tornava-se cada vez mais claro que a paz, a estabilidade social, a economia, as instituições políticas e os valores intelectuais da sociedade liberal burguesa entraram em decadência ou colapso.

(Adaptado de E. J. Hobsbawm, Era dos extremos: o breve século XX, 1914-1991. São Paulo: Companhia das Letras, 1995, p. 112.)

 

 

A partir do excerto acima e dos conhecimentos sobre o período histórico que vai de 1914 a 1945, é correto afirmar:

a) A crise de 1929 e as guerras mundiais levaram ao colapso do liberalismo político e econômico na Europa e, ao mesmo tempo, à expansão das democracias liberais em países africanos e do Oriente Médio.   

b) As soluções para a crise de 1929 centraram-se em um aprofundamento das políticas liberais do New Deal, que promoviam responsabilidade fiscal e diminuição do papel do Estado como motor de desenvolvimento.   

c) São marcos da crise do liberalismo na Europa: o colapso das principais democracias, a ascensão de governos totalitários e autoritários e a descrença no livre-mercado após a crise de 1929.   

d) Verificou-se nesse período o colapso das democracias liberais, com a ascensão do totalitarismo na Europa, e o aumento das liberdades econômicas, com a diminuição do papel do Estado como solução para a crise de 1929.   

 

 

Resposta:

 

[C]

 

O período datado é conhecido como Entre Guerras e foi marcado pela ascensão do Nazismo e do Fascismo ao poder na Alemanha e na Itália, principalmente, e pela Crise de 1929 iniciada nos EUA (crise do Liberalismo Econômico).

 

 

 

 

2. (Unesp 2019)  No livro The Moral Consequences of Economic Growth, Benjamin Friedman, professor de economia política [da Universidade] de Harvard, parte de vasta evidência histórica para defender que o crescimento econômico não é um facilitador apenas de melhorias materiais, mas também da liberdade, da tolerância, da justiça e da democracia.

[...]

Nos anos 1930, os Estados Unidos conseguiram fortalecer os valores democráticos em meio à Grande Depressão. O autor atribui essa sorte ao New Deal do presidente Roosevelt, que qualifica como uma tentativa de “disseminar a oportunidade econômica o mais amplamente possível”. Considera que [...] o caminho escolhido foi “deliberadamente pluralista e inclusivo”, com o objetivo não somente de restaurar a prosperidade econômica, mas de criar maior igualdade de oportunidades.

 

(Laura Carvalho. Valsa brasileira: do boom ao caos econômico, 2018.)

 

 

a) Indique duas características do New Deal.

b) Identifique e explique a ideia central do primeiro parágrafo do texto.

 

 

Resposta:

 

a) Controle estatal da economia e incentivo às obras públicas para geração de empregos.

 

b) Segundo a autora, os benefícios de uma economia equilibrada impactam em outras esferas públicas, como o fortalecimento da democracia como forma de governo e a aplicação correta da justiça.

 

 

 

 

3. (Fuvest 2018)  Come ananás, mastiga perdiz.

Teu dia está prestes, burguês.

Vladimir Maiakóvski. Come ananás, 1917.

 

 

Cidadão fiscal de rendas! Desculpe a liberdade.

Obrigado... Não se incomode... Estou à vontade.

A matéria que me traz é algo extraordinária:

O lugar do poeta da sociedade proletária.

Ao lado dos donos de terras e de vendas

estou também citado por débitos fiscais.

Você me exige 500 rublos por 6 meses e mais

(...)

Cidadão fiscal de rendas, eu encerro.

Pago os 5 e risco todos os zeros.

Tudo o que quero é um palmo de terra

ao lado dos mais pobres camponeses e obreiros.

Porém se vocês pensam que se trata apenas

de copiar palavras a esmo,

eis aqui, camaradas, minha pena,

podem escrever vocês mesmos!

 

Vladimir Maiakóvski. Conversa sobre poesia com o fiscal de rendas, 1926.

 

 

a) Indique duas características da produção cultural na Rússia, nos anos posteriores à Revolução de 1917.

b) Identifique e comente uma crítica e uma proposta de mudança presentes nos dois poemas.

 

 

Resposta:

 

a) Avanço da arte cinematográfica e adoção do realismo para exaltar o Regime Socialista.

b) Os poemas criticam o modo de vida burguês, pautado em privilégios, e propõem a busca pela igualdade social.

 

 

 

 

4. (Uerj 2018) 

Nas imagens estão reproduzidos dois brasões adotados pela Rússia em diferentes momentos de sua história. Cada um contém elementos simbólicos associados aos regimes políticos que os adotaram.

 

Identifique o regime representado, respectivamente, pelos brasões 1 e 2. Em seguida, indique um movimento político ou episódio no Brasil que tenha sido influenciado de forma significativa pelas ideias simbolizadas no brasão 2.

 

 

Resposta:

 

Brasão 1: Império Russo / Monarquia Absolutista / Czarismo.

Brasão 2: República Socialista / Comunismo / União das Repúblicas Socialistas Soviéticas.

 

Um dos movimentos ou episódios no Brasil:

- fundação do PCB

- Levante Comunista de 1935

- criação de partidos comunistas

- luta armada contra a Ditadura Militar

 

 

 

 

5. (Enem 2017)  O New Deal visa restabelecer o equilíbrio entre o custo de produção e o preço, entre a cidade e o campo, entre os preços agrícolas e os preços industriais, reativar o mercado interno – o único que é importante – pelo controle de preços e da produção, pela revalorização dos salários e do poder aquisitivo das massas, isto é, dos lavradores e operários, e pela regulamentação das condições de emprego.

 

CROUZET, M. Os Estados perante a crise, In: História geral das civilizações. São Paulo: Difel, 1977 (adaptado).

 

 

Tendo como referência os condicionantes históricos do entreguerras, as medidas governamentais descritas objetivavam

a) flexibilizar as regras do mercado financeiro.   

b) fortalecer o sistema de tributação regressiva.   

c) introduzir os dispositivos de contenção creditícia.   

d) racionalizar os custos da automação industrial mediante negociação sindical.   

e) recompor os mecanismos de acumulação econômica por meio da intervenção estatal.    

 

 

Resposta:

 

[E]

 

O New Deal foi um plano de reestruturação implementado por Roosevelt nos EUA após a Crise de 1929. Dentre as determinações do plano estavam a intervenção estatal na economia, a criação de empregos através de obras públicas e o controle sobre as produções agrárias e industriais.

 

 

 

 

6. (Mackenzie 2017)  Rosa Luxemburgo, destacada intelectual marxista, escreveu, em 1918, a obra A Revolução Russa. Leia com atenção o trecho a seguir:

 

“A liberdade é sempre a liberdade de quem pensa de maneira diferente (...). A ditadura do proletariado deve ser obra da classe e não de uma pequena minoria dirigente em nome da classe (...). Sem eleições gerais, sem liberdade irrestrita de imprensa, de reunião e discussão (...), algumas dezenas de dirigentes do Partido (...) comandam e governam (...). Entre eles, a direção, na verdade, está nas mãos de uma dúzia de homens, e uma elite, escolhida na classe operária, é de tempos em tempos convocada a aplaudir os discursos dos chefes e votar por unanimidade as resoluções que lhe são apreendidas”.

 

Rosa Luxemburgo. A Revolução Russa. Citado em: Antoine Prost. Gérard Vincent (orgs). História da Vida Privada: Da Primeira Guerra aos nossos dias. v.5. São Paulo: Companhia das Letras, 2009, pp. 419-420.

 

 

É correto afirmar que, para a autora, o processo revolucionário russo

a) contribuiu para a imposição das leis proletárias para o restante da União Soviética. Segunda essa visão, aos soviéticos, por serem a elite socialista, caberia a liderança sobre o restante dos países marxistas.   

b) resultou na criação de uma ditadura por parte dos dirigentes do partido, e não do proletariado. Em sua visão, a ditadura do proletariado deveria partir da classe e não de um grupo de dirigentes que fala em seu nome.   

c) criou uma elite burocrática semelhante aos demais países capitalistas. Por isso, o governo stalinista deveria ser substituído pela ditadura do proletariado, com ampla participação do operariado urbano na condução do país.    

d) resultou de uma coalizão de forças entre o campesinato e o operariado urbano. Daí a necessidade, apontada no texto, de estabelecer um governo centralizador, que fosse capaz de congregar interesses diversos.    

e) estabeleceu o comando proletário sobre os dirigentes do partido, razão pela qual o governo se encontrava sem credibilidade. A solução, segundo o texto, seria atentar para os múltiplos interesses envolvidos, e conciliá-los no governo.   

 

 

Resposta:

 

[B]

 

Rosa Luxemburgo expressa que, na sua visão, a Revolução Russa não representava uma revolução dos trabalhadores, mas sim uma ditadura de representantes dos trabalhadores, que não atendiam outros anseios que não os seus próprios.

 

 

 

 

7. (Fgv 2017)  Controle público absolutamente indispensável. (...) Corrupção inevitável (...) A prática do socialismo exige uma completa subversão no espírito das massas (...). Instintos sociais em lugar dos instintos egoístas (...). Mas ele [Lênin] se engana completamente no emprego dos meios. Decreto, poder ditatorial dos inspetores de fábrica, sanções draconianas, terror (...). A única via que leva a um renascimento é a própria escola da vida pública, uma democracia mais ampla (...). É justamente o terror que desmoraliza.

 

Rosa Luxemburgo. A Revolução Russa (1918), apud Marc Ferro. A Revolução Russa de 1917, 1974. Adaptado.

 

 

A partir do fragmento, é correto afirmar que

a) o processo de criação do Estado socialista na Rússia, a partir de 1917, faz-se com métodos violentos, defendidos pela autora: esvaziamento do poder dos sovietes, fortalecimento da polícia secreta, burocracia e implantação de uma ditadura para realizar as mudanças econômicas tão importantes naquele momento de crise.   

b) o texto da militante comunista é uma crítica à forma como a Revolução de 1917, liderada por Lênin, organizou o Estado de forma centralizadora, burocrática, sem tolerar a oposição, impunha a requisição de grãos, a estatização com o comunismo de guerra, afastando-se da democracia.   

c) a militante anarquista russa critica a forma como a liderança menchevique usa meios violentos para implantar o socialismo, baseado na reforma agrária, no controle dos bancos, dos transportes e das riquezas do subsolo, na tentativa de diminuir as distâncias sociais e aumentar o poder dos sovietes.   

d) a autora considera que a Revolução Russa de 1917 havia avançado no seu projeto de construção do Estado socialista e no êxito de suas realizações econômicas: controle da máquina administrativa para evitar a corrupção, a organização do Estado de forma democrática e o estabelecimento da propriedade coletiva.   

e) a militante comunista alemã, a partir de uma crítica contundente, aponta erros na rota planejada por Lênin para o Estado socialista russo e sugere caminhos como: o controle público da economia, o terror com a polícia secreta, sanções contra a corrupção administrativa e, por fim, a ditadura para garantir os princípios socialistas.   

 

 

Resposta:

 

[B]

 

Rosa Luxemburgo deixa claro que não concorda com os rumos que o governo de Lênin deu à Rússia após o início da Revolução Russa. Segunda ela, a centralização de poder e os indícios de ditadura lenilistas não condiziam com os preceitos de uma Revolução Comunista.

 

 

 

 

8. (Fuvest 2016)  Como proteção contra a fantasia e a demência financeiras, a memória é muito melhor do que a lei. Quando a lembrança do desastre de 1929 se perdeu no esquecimento, a lei e a regulação não foram suficientes. A história é extremamente útil para proteger as pessoas da avareza dos outros e delas mesmas.

John Kenneth Galbraith, O grande crash, 1929.

 

 

a) Indique duas das características principais do que o autor chama de “desastre de 1929”.

b) Identifique algum fenômeno posterior, comparável ao “desastre de 1929”, estabelecendo semelhanças e diferenças entre ambos.

 

 

Resposta:

 

a) (1) crise de superprodução nas indústrias norte-americanas, gerando acúmulo de produção não vendidos nos estoques e (2) quebra da Bolsa de Valores de NY a partir da especulação de ações.

b) Crise Imobiliária de 2008, nos EUA;

Semelhanças: alcance global;

Diferenças: a de 1929 foi de superprodução e a de 2008 foi de especulação imobiliária.

 

 

 

 

9. (Unicamp 2015)  Observe o gráfico e responda às questões.

 

a) Qual a relação existente entre as duas linhas apresentadas no gráfico?

b) Apresente dois motivos para a crise financeira de 1929. 

 

 

Resposta:

 

a) Fica claro, através do gráfico, que produção industrial e emprego estão DIRETAMENTE relacionados. Se um vai bem, o outro acompanha.

b) DOIS MOTIVOS: crise na produção industrial, devido ao excesso de mercadoria sem compradores e manutenção dos altos valores das ações na Bolsa de Valores (especulação), o que contribuiu para a queda de Bolsa de Valores de Nova York. 

 

 

 

 

 

 

10. (Fgv 2015)  Esses anos [pós-guerra] também foram notáveis sob outro aspecto, pois à medida que o tempo passava, tornava-se evidente que aquela prosperidade não duraria. Dentro dela estavam contidas as sementes de sua própria destruição.

 

(J. K. Galbraith, Dias de boom e de desastre In J. M. Roberts (org), História do século XX, 1974, p. 1331)

 

 

Segundo Galbraith,

a) a crise do capitalismo norte-americano em 1929 não abalou os seus fundamentos porque foi gerada por ele mesmo, isto é, o funcionamento da economia provocou a superprodução agrícola e industrial, a especulação na bolsa de valores, e a expansão do crédito, o que garantiu os lucros aos empresários, diminuindo a desigual distribuição de renda com o recuo do desemprego.   

b) a época referida no texto diz respeito à crise dos anos 1950, pós-Segunda Guerra, portanto externa ao capitalismo dos Estados Unidos, uma vez que os Estados europeus, endividados e destruídos, continuaram a contrair empréstimos e a comprar produtos norte-americanos, e os empresários, internamente, especularam na bolsa de valores, para minimizar os efeitos do desemprego.   

c) nos fins dos anos 1920, com a economia desorganizada pela Primeira Guerra Mundial, o capitalismo norte-americano cresceu rumo à superprodução, com investimentos na indústria, à restrição ao crédito e ao controle da especulação na bolsa de valores, pois a crise foi motivada apenas por motivos internos, o que facilitou a intervenção do Estado.   

d) a crise de 1929 foi gerada pelo próprio funcionamento do capitalismo nos Estados Unidos dos anos 1920, em um clima de euforia com o aumento da produção, a especulação na bolsa de valores, a concentração de renda e o crédito fácil, sem intervenção do Estado, apesar da diminuição das importações europeias e dos crescentes índices de desemprego.   

e) a crise dos anos pós-Segunda Guerra Mundial mostrou a importância da ação do Estado, na medida em que a intervenção reduziu os desequilíbrios causados pelo próprio funcionamento da economia norte-americana, isto é, preservou o lucro dos empresários, baixou os índices da produção agrícola e industrial, e controlou os altos níveis do desemprego.   

 

 

Resposta:

 

[D]

 

Somente a proposição [D] está correta. A questão remete a crise de 1929 no EUA. Após a Primeira Guerra Mundial, a Europa estava em profunda crise econômica. Este continente até então dominava o mundo no campo econômico, político e cultural. Assim, com a crise econômica europeia este “vazio de poder” foi ocupado pelos EUA, país que mais se beneficiou com a primeira Guerra. A década de 1920 nos USA foi caracterizada por uma profunda euforia e otimismo. Aumento da produção industrial e agrícola, crédito fácil, especulação financeira na bolsa de valores e prevalecia a lei de Say, ou seja, o liberalismo econômico com a não intervenção do Estado na economia. Acontece que a Europa adotou o protecionismo e começou a melhorar sua economia diminuindo a importação de produtos dos EUA. Enquanto isso, a produção estadunidense crescia muito e começou a faltar mercado consumidor. O resultado foi a crise de 1929, quebrou os EUA e todo o mundo capitalista, exceto a URSS que vivia o comunismo Stalinista.

 

 

 

 

11. (Unesp 2015)  A influência e o domínio do povo pelo “partido”, isto é, por alguns recém-chegados (os ideólogos comunistas procedem dos centros urbanos), já destruiu a influência e a energia construtiva desta promissora instituição que eram os sovietes. No momento atual, são os comitês do partido e não os sovietes que governam a Rússia. E sua organização padece de todos os defeitos da organização burocrática.

 

KROPOTKIN, Piotr. “Carta a Lênin (04.03.1920)”. Textos escolhidos, 1987.

 

As críticas do anarquista Kropotkin a Lênin, presentes nessa carta de 1920, indicam a sua

a) crença de que o partido bolchevique consiga reconhecer o poder supremo dos sovietes e extinguir a injustiça social, a hegemonia burguesa e o autoritarismo.   

b) insatisfação em relação à diminuição da influência das associações de soldados e trabalhadores e ao aumento da influência política das lideranças bolcheviques.   

c) disposição de anular a influência dos sovietes, para que o Estado russo seja eliminado e se instale uma nova organização política, baseada na supressão de toda forma de poder.   

d) avaliação de que o partido social-democrata se tornou, após a Revolução de Outubro de 1917, o único grupo político capaz de conter as manifestações sociais e reestruturar o Estado russo.   

e) discordância diante do esforço organizativo do país, empreendido pelos bolcheviques, e sua aposta no retorno da monarquia parlamentar derrubada pela Revolução de Outubro de 1917.   

 

 

Resposta:

 

[B]

 

Somente a alternativa [B] está correta. A questão remete a Revolução Russa de 1917. O texto do anarquista Kropotkin a Lênin faz uma crítica ao fato dos sovietes que eram os conselhos dos soldados e trabalhadores terem perdido poder e influência em detrimento do aumento do poder das lideranças do partido Bolchevique. Os sovietes representavam a participação popular. Os comitês do partido dominam o povo e os sovietes que possuíam uma energia construtiva perderam espaço. Vale dizer que os anarquistas desde o início da revolução criticaram muito a forma como o partido Bolchevique conduzia a política. O governo comunista após a revolução de outubro de 1917 massacrou muitos anarquistas e opositores ao novo regime. Sob, o governo de Stálin, 1924-1953, a URSS aprofundara o caminho rumo ao capitalismo de Estado: uma burguesia de Estado aliada à tecnocracia falava em nome do proletariado. Em 1945, a URSS avançou sobre o Leste Europeu e o mesmo sistema de partido e Estado foi instituído. As demais alternativas estão incorretas.

 

 

 

 

12. (Enem 2014)  Ao deflagrar-se a crise mundial de 1929, a situação da economia cafeeira se apresentava como se segue. A produção, que se encontrava em altos níveis, teria que seguir crescendo, pois os produtores haviam continuado a expandir as plantações até aquele momento. Com efeito, a produção máxima seria alcançada em 1933, ou seja, no ponto mais baixo da depressão, como reflexo das grandes plantações de 1927-1928. Entretanto, era totalmente impossível obter crédito no exterior para financiar a retenção de novos estoques, pois o mercado internacional de capitais se encontrava em profunda depressão, e o crédito do governo desaparecera com a evaporação das reservas.

 

FURTADO, C. Formação econômica do Brasil. São Paulo: Cia. Editora Nacional, 1997 (adaptado).

 

Uma resposta do Estado brasileiro à conjuntura econômica mencionada foi o(a)

a) atração de empresas estrangeiras.   

b) reformulação do sistema fundiário.   

c) incremento da mão de obra imigrante.   

d) desenvolvimento de política industrial.   

e) financiamento de pequenos agricultores.   

 

 

Resposta:

 

[D]

 

Durante a Grande Depressão, no chamado período entre-guerras, o Brasil se viu obrigado a promover o que foi chamado de processo de industrialização de substituição de importações, ou seja, na falta de produtos vindos de fora, o país teve que suprir a produção. Esse processo ajudou a amenizar os prejuízos advindos do café, uma vez que os países em crise suspenderam a compra do nosso principal produto de exportação.

 

 

 

 

13. (Uerj 2014)  A liberdade política é esta tranquilidade de espírito que provém da opinião que cada um tem sobre a sua segurança; e para que se tenha esta liberdade é preciso que o governo seja tal que um cidadão não possa temer outro cidadão. Quando o poder legislativo está reunido ao poder executivo, não existe liberdade. Tampouco existe liberdade se o poder de julgar não for separado do poder legislativo e do executivo.

 

Montesquieu. O espírito das leis, 1748.

 

 

O direito eleitoral ampliado, a dominação do parlamento, a debilidade do governo, a insignificância do presidente e a prática do referendo não respondem nem ao caráter, nem à missão que o Estado alemão deve cumprir tanto no presente como no futuro próximo.

 

Jornal Kölnishe Zeitung, 04/08/1919. Adaptado de REIS FILHO, Daniel Aarão (org.). História do século XX. Volume 2. Rio de Janeiro: Record, 2002.

 

 

Os trechos apresentam aspectos do pensamento político em duas épocas distintas: o liberalismo proposto por Montesquieu no século XVIII e a crise do liberalismo na crítica de um jornal alemão na recém-estabelecida República de Weimar.

 

Identifique um dos princípios liberais expresso no texto de Montesquieu e a opinião no texto do jornal alemão que contradiz esse princípio. Apresente, também, um fator que explique a crise do liberalismo no período entre as duas grandes guerras.

 

 

Resposta:

 

Um dos princípios liberais: a divisão dos poderes em três, como forma de não concentrar o poder nas mãos de apenas uma pessoa;

Opinião do jornal que contradiz o princípio: "a dominação do parlamento, a debilidade do governo, a insignificância do presidente";

Com a crise econômica que abateu o mundo no período entre-guerras, o sistema liberal entrou em colapso, com especial destaque para a Crise de 1929, nos EUA. Em países europeus já debilitados pela Primeira Guerra, como a Alemanha, a crise econômica fortaleceu a formação de regimes de extrema direita, como o Fascismo.

 

 

 

 

14. (Fgv 2014)  O New Deal caracterizou-se por um conjunto de medidas econômicas que visavam

a) superar a crise econômica da década de 1920 com medidas liberais que dessem maior autonomia à dinâmica dos mercados internacionais.   

b) estabelecer acordos entre patrões e operários com o objetivo de redistribuir rendas e permitir experiências de cogestão administrativa.   

c) garantir mais empregos através da intervenção do Estado na economia, sobretudo através do financiamento de obras públicas.   

d) reformar a economia soviética planificada duramente afetada pela crise econômica registrada a partir de 1929.   

e) diminuir o consumo e estimular a recessão econômica como forma de diminuir os altos índices de inflação registrados na década de 1920.   

 

 

Resposta:

 

[C]

 

A questão remete ao New Deal. A “Crise de 1929” começou nos EUA e quebrou o mundo capitalista. Em 1932, o Partido Democrata ganhou as eleições no EUA com o presidente Franklin Delano Roosevelt. Para aliviar a crise econômica, este presidente, apoiado nas ideias do economista inglês Keynes criou o New Deal, um programa com intervenção estatal visando melhorar o social através da geração de empregos com a criação de obras públicas, seguro desemprego, aposentadorias, entre outras medidas importantes.

 

 

 

 

15. (Unesp 2014)  No final da primavera de 1921, um grande artigo de Lenin define o que será a NEP [Nova política econômica]: supressão das requisições, impostos em gêneros (para os camponeses); liberdade de comércio; liberdade de produção artesanal; concessões aos capitalistas estrangeiros; liberdade de empresa – é verdade que restrita – para os cidadãos soviéticos. [...] Ao mesmo tempo, recusa qualquer liberdade política ao país: “Os mencheviques continuarão presos”, e anuncia uma depuração do partido, dirigida contra os revolucionários oriundos de outros partidos, isto é, não imbuídos da mentalidade bolchevique.

 

(Victor Serge. Memórias de um revolucionário, 1987.)

 

O texto identifica duas características do processo de constituição da União Soviética:

a) a reconciliação entre as principais facções social-democratas e a implantação de um sistema político que atribuía todo poder aos sovietes de soldados, operários e camponeses.   

b) o reconhecimento do fracasso político e social dos ideais comunistas e o restabelecimento do capitalismo liberal como modo de produção hegemônico no país.   

c) a estatização das empresas e dos capitais estrangeiros investidos no país e a nacionalização de todos os meios de produção, com a implantação do chamado comunismo de guerra.   

d) a aguda centralização do poder nas mãos do partido governante e o restabelecimento temporário de algumas práticas capitalistas, que visavam à aceleração do crescimento econômico do país.   

e) o fim da participação russa na Guerra Mundial, defendida pelas principais lideranças do Exército Vermelho, e a legalização de todos os partidos socialistas.   

 

 

Resposta:

 

[D]

 

Somente a proposição [D] está correta. Lênin e Trotsky lideraram a Revolução Russa em outubro de 1917 com ideias comunistas apoiadas no pensamento de Marx. O comunismo soviético foi caracterizado por uma excessiva centralização do poder nas mãos do Estado. Foi implantado o comunismo de guerra, 1918-1921, com a estatização dos meios de produção. O comunismo de guerra foi implantado em um contexto de guerra civil entre brancos (não comunistas) e vermelhos (comunistas) e, desta forma, a política não foi bem sucedida. Lênin, em 1921, criou a NEP (Nova Política Econômica) mesclando elementos comunistas e capitalistas para recuperar a economia. Segundo Lênin, era preciso “dar um passo para trás para depois dar dois passos para frente”. As alternativas [A], [B], [C] e [E] estão incorretas. Não ocorreu a conciliação entre facções socialdemocráticas para a revolução de outubro de 1917 na Rússia. Em 1921 com a adoção da NEP, Lênin não adotou o capitalismo liberal como modo de produção hegemônico. O comunismo de guerra foi anterior a implantação da NEP.