Carregando Idioma...

Questões sobre o mercantilismo

Estude História grátis: simulados, listas, mapas mentais, resumos e vídeo aulas. Também aprofundamento para quem quer ir mais longe.

Questões sobre o mercantilismo

 

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO:

Leia o texto, analise a figura a seguir e responda à(s) próxima(s) questão(ões).

 

No início do século XVII, a química começou a despontar como ciência, com base na química prática (mineração, purificação de metais, criação de joias, cerâmicas e armas de fogo), química médica (plantas medicinais) e crenças místicas (busca pela Pedra Filosofal). A figura abaixo representa a vista do interior de um laboratório de análise de minerais do final do século XVI, utilizado para amalgamação de concentrados de ouro e recuperação do mercúrio pela destilação da amálgama. O minério, contendo ouro e alguns sais à base de sulfeto, era inicialmente tratado com vinagre (solução de ácido acético) por 3 dias; em seguida, era lavado e, posteriormente, esfregado manualmente com mercúrio líquido para formar amálgama mercúrio-ouro (detalhe B na figura). A destilação da amálgama para separar o ouro do mercúrio era realizada em um forno chamado atanor (detalhe A na figura).

1. (Uel 2015)  Sobre os processos de obtenção de ouro empregados no final do século XVI, assinale a alternativa correta.

a) Ao considerar que o sal presente no minério é o PbS, o emprego do vinagre tem como finalidade evitar a dissolução desse sal.   

b) A amálgama ouro-mercúrio é uma mistura azeotrópica, por isso é possível separar o ouro do mercúrio.    

c) A destilação da amálgama composta por ouro e mercúrio é considerada um processo de fracionamento físico.   

d) A separação do mercúrio do ouro, por meio da destilação, ocorre por um processo de vaporização chamado de evaporação.   

e) É possível separar a amálgama ouro-mercúrio por meio de destilação porque o ouro é mais denso que o mercúrio.   

 

 

Resposta:

 

[C]

 

[Resposta do ponto de vista da disciplina de História]

Somente a proposição [C] está correta. A ciência moderna surgiu no século XVII com Galileu. Esta se caracteriza por ser experimental, ou seja, só é verdade o que for cientificamente comprovado. Neste cenário, a Química também caminhava a passo largos. Na política europeia havia o absolutismo personalizado na figura de um rei. Na economia, ganhou destaque o mercantilismo que consistia em uma política econômica dos reis europeus para angariar recursos para os Estados Modernos Europeus. Uma grande característica desta política econômica era o metalismo, ou seja, acúmulo de metais preciosos. Assim, a “Química Prática” se destacou na mineração, na purificação de metais e joias, entre outras. Surgiram laboratórios de análise de minerais para se fazer o processo de amalgação de concentrados de ouro e recuperação do mercúrio pela destilação da amálgama.

 

[Resposta do ponto de vista da disciplina de Química]

[A] Incorreta. A finalidade do ácido nessa etapa do processo é de promover a dissolução do sal.

[B] Incorreta. Uma mistura azeotrópica possui pontos de ebulição constantes, o que inviabilizaria a separação da mistura por destilação.

[C] Correta. Pois os elementos: ouro e mercúrio possuem pontos de ebulição diferentes.

[D] Incorreta. A separação dos elementos, pelo processo de destilação, ocorre por um processo de vaporização, chamado de ebulição.

[E] Incorreta. A separação desses compostos, só é possível, usando essa técnica de separação, devido aos pontos de ebulição dos elementos serem diferentes.

 

 

 

 

2. (Unesp 2021)  As práticas econômicas mercantilistas são frequentemente relacionadas aos Estados modernos e representam

a) uma concentração de capitais, alcançada principalmente por meio da exploração colonial e de mecanismos de proteção comercial.   

b) uma difusão do comércio em escala mundial, obtida com a globalização da economia e a multipolaridade geoestratégica.   

c) uma redução profunda no grau de intervenção do Estado na economia, que passou a ser gerida pelos movimentos do mercado.   

d) o resultado da concentração do poder político nas mãos de governantes que defendiam, sobretudo, os valores e interesses da burguesia industrial.   

e) o combate sistemático às formas compulsórias de trabalho, que impediam o crescimento dos mercados consumidores internos nos países europeus.   

 

 

Resposta:

 

[A]

 

[Resposta do ponto de vista da disciplina de Geografia]

Entre as características do mercantismo, a concentração de capital, obtida através de práticas de exploração de colônias e protecionismo comercial. Geralmente, ocorre a imposição de uma divisão do trabalho em que as colônias exportam matérias primas e as metrópoles produtos mais elaborados e manufaturados.

 

[Resposta do ponto de vista da disciplina de História]

O Mercantilismo – Política Econômica dos Estados Absolutistas – tinha algumas características básicas, tais quais: a balança comercial favorável e o acúmulo de metais preciosos – mediante, em grande medida, a exploração colonial –, além do protecionismo alfandegário – que era a defesa da economia dos Reinos.

 

 

 

 

3. (Fuvest 2012) 

Considerando os dois gráficos acima,

 

a) defina e explique o significado geral de uma balança comercial “favorável” ou “desfavorável” para um determinado país;

b) compare os papéis político-econômicos da França e da Inglaterra na competição internacional do século XVIII, bem como a importância desses países para as regiões coloniais americanas da época.

 

 

Resposta:

 

[Resposta do ponto de vista da disciplina de História]

a) Balança Comercial é a relação estabelecida entre as exportações e as importações realizadas por um país em um determinado período. Ela é considerada “favorável” quando as exportações são maiores do que as importações, permitindo ao país lucro (superavit); a situação inversa é definida como “desfavorável”, ou seja, quando as exportações são menores do que as importações, determinando a saída de moedas do país (deficit).

 

b) As áreas coloniais sempre foram importantes para suas respectivas metrópoles, incluindo Inglaterra e França, pois, monopolizadas, garantiam lucro. No caso da Inglaterra, o gráfico demonstra um superavit constante ao longo do século XVIII, em crescimento até a década de 70, quando se iniciaram os conflitos que resultaram na perda das 13 colônias americanas, retratado no gráfico pela queda de importações e exportações. No caso da França percebe-se uma atividade econômica de menor volume – quando comparada com a Inglaterra, com maiores oscilações ao longo do século XVIII e momentos de inversão, com períodos deficitários nas décadas de 70 e 80, marcadas pela Revolução Francesa e pela grave crise econômica que a precedeu.

 

[Resposta do ponto de vista da disciplina de Geografia]

a) Balança comercial é um indicador que mensura a relação entre exportações e importações de bens e serviços de um país em um determinado período. Caracteriza-se como favorável ou superavitada quando o total de exportações de bens e serviços é superior ao de importações, sendo considerado um fator positivo para a economia do país, haja vista que o lucro das transações é reinvestido no país. A balança desfavorável ou deficitária caracteriza o total de importações de bens e serviços superiores ao de exportações e, portanto, é um fator negativo, haja vista que os prejuízos deverão ser cobertos com as reservas financeiras do país.

 

b) O mercantilismo, base da economia até o século XVIII, estimulou os países a buscarem uma balança comercial favorável, contudo a crise do sistema colonial no final do século afetou o comércio das metrópoles, resultando em queda das exportações e deficit.

 

 

 

 

4. (Fgv 2021)  Os escravos africanos cultivavam açúcar em ilhas das Caraíbas, que forneciam aos trabalhadores ingleses calorias e estímulos. Mas como se tornou possível uma complementaridade tão terrível? Só graças a poderosos sistemas de comércio e de navegação com capacidade de ligarem entre si partes diferentes deste sistema atlântico. Só graças a um aparelho institucional capaz de assegurar a aplicação de direitos de propriedade em diferentes partes de um sistema imperial.

 

(Frederick Cooper. Histórias de África. Capitalismo, Modernidade e Globalização, 2016. Adaptado.)

 

 

Esse sistema econômico intercontinental, característico da Idade Moderna, baseava-se

a) na atuação de uma estrutura estatal coercitiva.   

b) na transferência de operários europeus para as áreas coloniais.   

c) na transição da economia de subsistência para a de mercado.   

d) na relação pacífica de nações de formações culturais diversas.   

e) na incorporação das classes dominantes afro-ameríndias à industrialização.   

 

 

Resposta:

 

[A]

 

Tanto na aplicação do Mercantilismo quanto na estruturação dos sistemas de colonização a presença do Estado – na figura do Rei – se fazia presente de forma centralizada e coercitiva, impondo a súditos e colonos as necessidades dos Reinos. Nas Colônias de Exploração, o Pacto Colonial rigidamente aplicado pelas Coroas europeias garantiam a exploração das Colônias em benefício das Metrópoles.

 

 

 

 

5. (Uel 2020)  Leia o texto e analise o mapa a seguir.

 

Até o século XV, as principais características das comunidades africanas eram o parentesco e a escravidão. A comunidade era a principal garantia da coesão social: indivíduos que ameaçassem a harmonia ou rompessem com a lealdade ao seu grupo de parentesco podiam ser expulsos e, então, escravizados por outras comunidades. Na África, os escravos eram obtidos de várias maneiras: através do aprisionamento de “estrangeiros”, em guerras, sequestros ou compra, tanto de indivíduos expulsos de suas comunidades – acusados de praticar feitiçaria, por exemplo – quanto de membros de comunidades cuja sobrevivência estava ameaçada pela fome. Ou ainda, através de punições aplicadas a membros da própria comunidade por crimes cometidos, como adultério, assassinato e não pagamento de dívidas. Embora os escravos não tivessem estabilidade nas comunidades que os aprisionaram, podiam tornar-se parte das mesmas, até mesmo participando da estrutura familiar e exercendo funções econômicas.

 

Adaptação de: MATTOS, H. M.; GRINBERG, K. “As relações Brasil – África no Contexto do Atlântico Sul”. In: Beluce Belucci (Coord.). Introdução à história da África e da cultura afro-brasileira. Rio de Janeiro: UCAM, CEAA: CCBB, 2003. p. 32-33.

 

Com base no texto, no mapa e nos conhecimentos sobre escravidão, responda aos itens a seguir.

 

a) Como se caracterizava a escravidão do século XV em algumas regiões da África?

b) Como se caracterizava a escravidão no Brasil Colônia considerando as relações entre América Portuguesa e África?

 

 

Resposta:

 

a) É importante perceber as diferenças entre a escravidão africana e a escravidão moderna. Em muitas sociedades africanas, as pessoas eram escravizadas nas seguintes situações: como prisioneiras de guerra, quando cumpriam penas por determinados crimes ou por não quitar suas dívidas. De modo geral, nas sociedades africanas, a escravização de pessoas era também uma forma de aumentar o número de súditos de um reino, disponibilizando, assim, mão de obra para a realização de obras públicas, ou para fortalecer os exércitos. Muitas vezes, o escravizado era vendido ou trocado pelo seu dono. As pessoas escravizadas costumavam trabalhar na agricultura, na mineração ou prestar serviços domésticos. Alguns chegavam a se tornar militares, funcionários públicos ou comerciantes, conseguindo, em certos casos, acumular riquezas.

 

b) Na América Portuguesa, os escravos passaram a se tornar importantes mercadorias e instaurou-se uma grande rede de tráfico de pessoas, que vigorou entre os séculos XVI e XIX, tendo marcado profundamente a história da humanidade. A escravidão moderna – como costuma ser chamada a escravidão praticada nesse período – é essencialmente comercial/mercadológica. Milhões de pessoas foram capturadas na África, separadas de suas famílias e transportadas para lugares distantes, em porões de embarcações (conhecidas como navios negreiros) que cruzavam primeiro o oceano Índico, depois o oceano Atlântico. Foi dessa forma que, por mais de trezentos anos, o Brasil recebeu pessoas escravizadas. Ao chegarem aqui, os africanos escravizados viviam em condições miseráveis, sofriam maus-tratos e eram obrigados a trabalhar incansavelmente. Caso se negassem ou resistissem (o que ocorria permanentemente), sofriam pesados castigos físicos e psicológicos.

 

 

 

 

6. (Mackenzie 2020)  “Na Antiguidade e na Idade Média, apesar do nível técnico inferior, o tempo de produção diária, semanal ou anual era bem menor que no capitalismo. Como a religião tinha primazia sobre a economia, o tempo das festas e dos rituais religiosos era mais importante do que o tempo da produção, que foram em boa parte abolidos na esteira da modernização.”

(KURZ, R., in Folha de São Paulo, 3 jan. 1999, p. 5)

 

 

Com base no texto acima, considere as assertivas abaixo.

 

I. O trabalho na sociedade feudal era estruturado na servidão, que mantinha os indivíduos presos à terra, tendo que pagar uma série de obrigações em taxas e serviços. Apesar disso, o servo era preso à terra e não podia ser negociado como mercadoria, diferentemente do trabalhador no sistema capitalista, facilmente descartado e substituído.

II. As sociedades existentes antes da Revolução Industrial eram quase todas de caráter aristocrático e hierarquizadas. A economia era primordialmente agrícola, em que o comércio ocupava um papel complementar. O objetivo máximo era suprir as necessidades da sociedade como um todo. Com o advento da economia de mercado capitalista, o objetivo era a obtenção do lucro, mesmo que fosse necessário transformar a força de trabalho em mercadoria.

III. A sociedade capitalista é uma organização social regida pelas necessidades das leis de mercado, não apenas para satisfazer às necessidades humanas. Nelas os trabalhadores modernos são livres, pois não estão sujeitos à autoridade de um senhor, como antigamente, porém, na economia de mercado atual, os empregados só têm participação como vendedores de sua força de trabalho.

 

Assinale

a) se somente a I estiver correta.   

b) se somente a I e a II estiverem corretas.   

c) se somente a I e a III estiverem corretas.   

d) se somente a II e a III estiverem corretas.   

e) se todas estiverem corretas.   

 

 

Resposta:

 

[E]

 

Todas as afirmativas estão corretas.

 

 

 

 

7. (Enem 2019)  TEXTO I

A centralização econômica, o protecionismo e a expansão ultramarina engrandeceram o Estado, embora beneficiassem a burguesia incipiente.

ANDERSON, P. In: DEYON, P. O mercantilismo. Lisboa: Gradiva, 1989 (adaptado).

 

 

TEXTO II

As interferências da legislação e das práticas exclusivistas restringem a operação benéfica da lei natural na esfera das relações econômicas.

SMITH, A. A riqueza das Nações. São Paulo: Abril Cultural, 1983 (adaptado).

 

 

Entre os séculos XVI e XIX, diferentes concepções sobre as relações entre Estado e economia foram formuladas. Tais concepções, associadas a cada um dos textos, confrontam-se, respectivamente, na oposição entre as práticas de

a) valorização do pacto colonial — combate à livre-iniciativa.    

b) defesa dos monopólios régios — apoio à livre concorrência.    

c) formação do sistema metropolitano — crítica à livre navegação.    

d) abandono da acumulação metalista — estímulo ao livre-comércio.    

e) eliminação das tarifas alfandegárias — incentivo ao livre-cambismo.    

 

 

Resposta:

 

[B]

 

Identificamos no [texto I] características do Mercantilismo, que visava defender a intervenção estatal na economia, e no [texto II] características do Liberalismo Econômico, que visava a livre concorrência através da Lei da Oferta e da Procura.

 

 

 

 

8. (Fgv 2017)  A colonização do Novo Mundo na época moderna apresenta-se como peça de um sistema, instrumento da acumulação primitiva, da época do capitalismo mercantil. Na realidade, nem toda colonização se desenrola dentro das travas do sistema colonial, pois a colonização inglesa na América do Norte, colônias de povoamento, deu-se fora dos mecanismos definidores do sistema colonial mercantilista.

 

Fernando Novais. Portugal e Brasil na crise do antigo sistema colonial, 1989. Adaptado.

 

 

A partir do texto, é correto afirmar que

a) coexistem, no processo de colonização na Idade Moderna, dois tipos de colônias: as de exploração e as de povoamento, sendo estas as mais encontradas, uma vez que se baseiam em pequena propriedade, trabalho livre e mercado interno; além disso, o Antigo Sistema Colonial garantia superlucros às respectivas metrópoles.   

b) dois tipos de colonização significam a coexistência de dois processos históricos diferentes, um ligado à Idade Média e outro ligado à Idade Moderna, com características semelhantes, como o comércio triangular, a grande e a pequena propriedades, o autogoverno e o exclusivo metropolitano.   

c) a colonização de povoamento, típica do Sistema Colonial Mercantilista, baseia-se em grande propriedade, trabalho escravo e produção voltada para o mercado externo, o que implica o exclusivo metropolitano como base das relações entre Metrópole e Colônia.   

d) os dois tipos de colonização, de exploração e de povoamento, explicam-se por processos diferentes: a de exploração está ligada à acumulação de riqueza para a Metrópole moderna, com grande propriedade e trabalho escravo, enquanto a colonização de povoamento liga-se à Metrópole industrializada.   

e) o sentido profundo da colonização moderna é comercial e capitalista, pois as colônias de exploração, típicas do Antigo Sistema Colonial, nasceram para as Metrópoles acumularem riqueza; e é dentro desse processo de análise de conjunto que se torna inteligível a existência do outro tipo, a colonização de povoamento.   

 

 

Resposta:

 

[E]

 

Durante o processo de colonização iniciado no século XV, surgiram dois tipos de colônia: as de exploração, voltadas para o enriquecimento da Metrópole, e as de povoamento, onde existia relativo afrouxamento do Pacto Colonial.

 

 

 

 

9. (Fgv 2015)  Não foi essencialmente demográfico no sentido de que o movimento colonizador não foi impulsionado por pressões demográficas (como na Antiguidade, a colonização grega), mas tem dimensão demográfica no sentido de que envolve amplos deslocamentos populacionais (...). A colonização moderna foi um fenômeno global, no sentido de envolver todas as esferas da existência, mas seu eixo propulsor situa-se nos planos político e econômico.

 

NOVAIS, F. Condições de privacidade na colônia. História da vida privada no Brasil. Cotidiano e vida privada na América portuguesa. São Paulo: Companhia das Letras, 2004, p. 18.

 

 

a) Explique as razões pelas quais a colonização portuguesa da América não foi provocada por pressões demográficas.

b) Exemplifique os tipos de deslocamentos populacionais dirigidos para a América portuguesa.

c) Apresente os elementos político e econômico que propulsionaram a colonização moderna.

 

 

Resposta:

 

a) A baixa densidade demográfica portuguesa era insuficiente para explorar uma colônia de tamanha dimensão territorial como o Brasil.

b) Pessoas pobres de Portugal se deslocaram para o Brasil e negros da África foram arrancados do seu mundo e vendidos como escravos na América colonial.

c) A Europa Moderna no campo político era caracterizada pelo Absolutismo com o poder nas mãos dos reis e na esfera econômica havia o Mercantilismo que preconizava o Estado intervencionista, o protecionismo alfandegário, o metalismo, entre outras características. A colonização da América era uma forma de angariar recursos para os Estados Modernos Europeus.

 

 

 

 

10. (Fgv 2015)  O Estado era tanto o sujeito como o objeto da política econômica mercantilista. O mercantilismo refletia a concepção a respeito das relações entre o Estado e a nação que imperava na época (séculos XVI e XVII). Era o Estado, não a nação, o que lhe interessava.

 

(Eli F. Heckscher, La epoca mercantilista, 1943, p. 459-461 Apud Adhemar Marques e et alii (seleção), História moderna através de textos, 1989, p. 85. Adaptado)

 

 

Segundo o autor,

a) as relações profundas entre o Estado absolutista e o nacionalismo levaram à intolerância e a tudo o que impedia o bem-estar dos súditos, unidos por regulamentações e normas rígidas.   

b) as práticas econômicas intervencionistas do Estado absolutista tinham o objetivo específico de enriquecer a nação, em especial, os comerciantes, que impulsionavam o comércio externo, base da acumulação da época.   

c) o mercantilismo foi um sistema de poder, pois o Estado absolutista implantou práticas econômicas intervencionistas, cujo objetivo maior foi o fortalecimento do poder político do próprio Estado.   

d) o Estado absolutista privilegiou sua aliada política, a nobreza, ao adotar medidas não intervencionistas, para preservar a concentração fundiária, já que a terra era a medida de riqueza da época.   

e) a nação, compreendida como todos os súditos do Estado absolutista, era o alvo maior de todas as medidas econômicas, isto é, o intervencionismo está intimamente ligado ao nacionalismo.   

 

 

Resposta:

 

[C]

 

Somente a proposição [C] está correta. A questão remete ao contexto da Idade Moderna quando existiu o absolutismo e o mercantilismo. No final da Idade Média e início da Idade Moderna surgiram os Estados Nacionais Modernos na Europa a partir da aliança entre rei e burguesia. Este Estado Moderno necessitava de recursos para montar e equipar exército, montar e equipar a marinha, manter o aparato estatal, entre outros. Desta forma, o rei com seu poder (absolutismo) criou uma política econômica denominada de Mercantilismo visando angariar recursos para o Estado. Dentro da perspectiva do Mercantilismo, o Estado interferia (intervencionismo) na economia através do protecionismo, buscava a balança comercial favorável bem como o metalismo, isto é, acumular metais preciosos.

 

 

 

 

11. (Unesp 2014)  O comércio foi de fato o nervo da colonização do Antigo Regime, isto é, para incrementar as atividades mercantis processava-se a ocupação, povoamento e valorização das novas áreas. E aqui ressalta de novo o sentido da colonização da época Moderna; indo em curso na Europa a expansão da economia de mercado, com a mercantilização crescente dos vários setores produtivos antes à margem da circulação de mercadorias – a produção colonial era uma produção mercantil, ligada às grandes linhas do tráfico internacional.

 

(Fernando A. Novais. Portugal e Brasil na crise do Antigo Sistema Colonial (1777-1808), 1981. Adaptado.)

 

 

O mecanismo principal da colonização foi o comércio entre colônia e metrópole, fato que se manifesta

a) na ampliação do movimento de integração econômica europeia por meio do amplo acesso de outras potências aos mercados coloniais.   

b) na ausência de preocupações capitalistas por parte dos colonos, que preferiam manter o modelo feudal e a hegemonia dos senhores de terras.   

c) nas críticas das autoridades metropolitanas à persistência do escravismo, que impedia a ampliação do mercado consumidor na colônia.   

d) no desinteresse metropolitano de ocupar as novas terras conquistadas, limitando-se à exploração imediatista das riquezas encontradas.   

e) no condicionamento político, demográfico e econômico dos espaços coloniais, que deveriam gerar lucros para as economias metropolitanas.   

 

 

Resposta:

 

[E]

 

Somente a proposição [E] está correta. A Idade Moderna, XV ao XVIII, foi caracterizada pela transição do feudalismo para o capitalismo e pelo Antigo Regime (Absolutismo e Mercantilismo). Os Estados Nacionais Modernos surgiram no final da Idade Média e se notabilizaram nos Tempos Modernos necessitavam de muitos recursos para montar e equipar o exército e a marinha bem como manter a burocracia estatal. Desta forma, o Sistema Colonial visava gerar lucros e recursos para a metrópole (aspecto econômico), a submissão da Colônia à Metrópole (aspecto político) e ocupar as áreas coloniais (aspecto demográfico). As demais alternativas estão incorretas. As autoridades metropolitanas não criticavam o escravismo colonial. Não ocorreu o modelo feudal na Colônia. Havia o interesse da metrópole em ocupar as novas áreas conquistadas.

 

 

 

 

12. (Fgv 2014)  São características das chamadas sociedades do Antigo Regime:

a) igualdade jurídica, valorização do trabalho manual e predomínio dos valores burgueses.   

b) desigualdade jurídica, predomínio dos valores aristocráticos e desvalorização do trabalho manual.   

c) desigualdade social, predomínio dos valores urbanos e anticlericalismo.   

d) igualdade social, protestantismo e mentalidade aristocrática.   

e) liberalismo econômico, desigualdade jurídica e ascensão das comunidades camponesas.   

 

 

Resposta:

 

[B]

 

A questão remete ao “Antigo Regime” que ocorreu na Europa no contexto da Idade Moderna, séculos XV ao XVIII, através do sistema Absolutista, da política econômica denominada Mercantilismo, desvalorização do trabalho braçal, predominância de valores aristocráticos no qual havia a desigualdade jurídica, os nobres tinham privilégios, não pagavam impostos e recebiam uma pensão do Estado, o clero também possuía isenção tributária e ainda cobrava o dízimo da população. No século XVIII surgiu o Iluminismo, combatendo os valores aristocráticos defendendo a igualdade jurídica, ou seja, todos são iguais perante a lei.

 

 

 

 

13. (Fgv 2013)  Leia um fragmento do Ato de Navegação inglês de 1660.

 

Para o progresso do armamento marítimo e da navegação que soube a boa providência e proteção divina interessam tanto à prosperidade, à segurança e o poderio deste reino... nenhuma mercadoria será importada ou exportada dos países, ilhas, plantações ou territórios, pertencentes a Sua Majestade ou em possessão de Sua Majestade, na Ásia, América e África, noutros navios senão nos que sem nenhuma fraude pertencem a súditos ingleses, irlandeses ou gauleses, ou ainda a habitantes destes países, ilhas, plantações e territórios, e que são comandados por um capitão inglês e tripulados por uma equipagem com três quartos de ingleses...

 

(English Historical Documents)

 

 

A determinação inglesa pode ser considerada

a) liberal, uma vez que a interferência do Estado se resumira a estabilizar a entrada e a saída de mercadorias da nação.   

b) fisiocrata, porque reforçou a tendência inglesa de buscar as rendas do Estado na produção agrícola.   

c) iluminista, já que atendeu às demandas das camadas mais modernas da nobreza de terras e da burguesia industrial.   

d) monopolista, visto que permitiu a livre circulação de mercadorias pela maior parte do continente europeu e da Ásia.   

e) mercantilista, pois permitiu a proteção e a consequente prosperidade da marinha e do comércio britânicos.   

 

 

Resposta:

 

[E]

 

Um dos princípios do mercantilismo era a valorização da economia nacional frente às economias das outras monarquias. Por isso, ao decretar que os produtos ingleses só poderiam ser transportados em navios ingleses, a Inglaterra estava praticando o mercantilismo. 

 

 

 

 

14. (Unicamp 2013)  Observe a imagem abaixo:

a) A imagem representa a disputa entre calvinistas e católicos. Como estão representados os calvinistas na obra do artista holandês?

b) Explique a importância econômica da Holanda como potência marítima no contexto europeu do século XVII.

 

 

Resposta:

 

a) No primeiro plano, a disciplina e organização, rigor religioso típicos da burguesia calvinista e o livro representa o uso e a valorização Bíblia uma crítica aos desvios da Igreja Católica.

b) Praticando o mercantilismo (comercialismo) a Holanda se tornou hegemônica através dos negócios com o açúcar brasileiro (financiamento, transporte e refino), criação de companhias comerciais levando os flamengos a uma disputa com a Espanha, Inglaterra e Portugal.

 

 

 

 

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO:

Os africanos não escravizavam africanos, nem se reconheciam então como africanos. Eles se viam como membros de uma aldeia, de um conjunto de aldeias, de um reino e de um grupo que falava a mesma língua, tinha os mesmos costumes e adorava os mesmos deuses. (...) Quando um chefe (...) entregava a um navio europeu um grupo de cativos, não estava vendendo africanos nem negros, mas (...) uma gente que, por ser considerada por ele inimiga e bárbara, podia ser escravizada. (...) O comércio transatlântico (...) fazia parte de um processo de integração econômica do Atlântico, que envolvia a produção e a comercialização, em grande escala, de açúcar, algodão, tabaco, café e outros bens tropicais, um processo no qual a Europa entrava com o capital, as Américas com a terra e a África com o trabalho, isto é, com a mão de obra cativa.

 

(Alberto da Costa e Silva. A África explicada aos meus filhos, 2008. Adaptado.)

 

 

15. (Unesp 2012)  Ao caracterizar a “integração econômica do Atlântico”, o texto

a) destaca os diferentes papéis representados por africanos, europeus e americanos na constituição de um novo espaço de produção e circulação de mercadorias.   

b) reconhece que europeus, africanos e americanos se beneficiaram igualmente das relações comerciais estabelecidas através do Oceano Atlântico.   

c) afirma que a globalização econômica se iniciou com a colonização da América e não contou, na sua origem, com o predomínio claro de qualquer das partes envolvidas.   

d) sustenta que a escravidão africana nas colônias europeias da América não exerceu papel fundamental na integração do continente americano com a economia que se desenvolveu no Oceano Atlântico.   

e) ressalta o fato de a América ter se tornado a principal fornecedora de matérias-primas para a Europa e de que alguns desses produtos eram usados na troca por escravos africanos.   

 

 

Resposta:

 

[A]

 

O tráfico negreiro deve ser percebido dentro das estruturas do modelo mercantilista, parte do processo de pré-acumulação capitalista da época moderna. O texto deixa claro o papel de cada um dos elementos constitutivos do processo conhecido como “tráfico negreiro”. Apesar dos papeis diferenciados, os grupos destacados no texto colaboraram para a consolidação de um sistema de trabalho em grande parte da América colonizada, fortalecendo as bases do mercantilismo e da acumulação de capitais.

 

 

 

 

16. (Enem 2011)  O açúcar e suas técnicas de produção foram levados à Europa pelos árabes no século VIII, durante a Idade Média, mas foi principalmente a partir das Cruzadas (séculos XI e XIII) que a sua procura foi aumentando. Nessa época passou a ser importado do Oriente Médio e produzido em pequena escala no sul da Itália, mas continuou a ser um produto de luxo, extremamente caro,

chegando a figurar nos dotes de princesas casadoiras.

 

CAMPOS, R. Grandeza do Brasil no tempo de Antonil (1681-1716). São Paulo: Atual, 1996.

 

Considerando o conceito do Antigo Sistema Colonial, o açúcar foi o produto escolhido por Portugal para dar início à colonização brasileira, em virtude de

a) o lucro obtido com o seu comércio ser muito vantajoso.   

b) os árabes serem aliados históricos dos portugueses.   

c) a mão de obra necessária para o cultivo ser insuficiente.   

d) as feitorias africanas facilitarem a comercialização desse produto.   

e) os nativos da América dominarem uma técnica de cultivo semelhante.   

 

 

Resposta:

 

[A]

 

O sistema colonial desenvolvido durante a Idade Moderna enquadra-se no processo de expansão do comércio, responsável por fortalecer o Estado absolutista e possibilitou o enriquecimento da camada burguesa. Todo o processo de exploração colonial tinha como objetivo gerar riqueza, acumulada segundo a visão mercantilista de economia.

 

 

 

 

17. (Fgv 2011)  A Constituição dos Estados Unidos da América, de 1787, é considerada a primeira experiência significativa de Estado federal. Isso se deve

a) ao princípio constitucional baseado na pluralidade de centros de poder soberanos e coordenados.   

b) ao princípio constitucional caracterizado pela inexistência de leis gerais válidas para toda a nação.   

c) ao princípio constitucional baseado na absoluta submissão das unidades federativas ao governo central.   

d) ao princípio constitucional de garantia dos direitos individuais do cidadão e das minorias sociais.   

e) ao princípio constitucional baseado no corporativismo e na negação do direito de rebelião e insubordinação política.   

 

 

Resposta:

 

[A]

 

A Constituição norte-americana de 1787 baseou-se na divisão dos poderes típicas do federalismo, como a concessão e diversificação dos centros de poder e decisão política.

 

 

 

 

18. (Fuvest 2009)  "Da armada dependem as colônias, das colônias depende o comércio, do comércio, a capacidade de um Estado manter exércitos numerosos, aumentar a sua população e tornar possíveis as mais gloriosas e úteis empresas."

 

Essa afirmação do duque de Choiseul (1719-1785) expressa bem a natureza e o caráter do:

a) liberalismo.   

b) feudalismo.   

c) mercantilismo.   

d) escravismo.   

e) corporativismo.   

 

 

Resposta:

 

[C]

 

 

 

 

19. (Unicamp 2007)  Da Idade Média aos tempos modernos, os reis eram considerados personagens sagrados. Os reis da França e da Inglaterra "tocavam as escrófulas", significando que eles pretendiam, somente com o contato de suas mãos, curar os doentes afetados por essa moléstia. Ora, para compreender o que foram as monarquias de outrora, não basta analisar a organização administrativa, judiciária e financeira que essas monarquias impuseram a seus súditos, nem extrair dos grandes teóricos os conceitos de absolutismo ou direito divino. É necessário penetrar as crenças que floresceram em torno das casas principescas.

            (Adaptado de Marc Bloch. "Os reis taumaturgos". São Paulo: Companhia das Letras. 1993, p. 43-44.)

 

a) De acordo com o texto, como se pode compreender melhor as monarquias da Idade Média e da Idade Moderna?

b) O que significa "direito divino dos reis"?

c) Caracterize a política econômica das monarquias europeias entre os séculos XVI e XVIII.

 

 

Resposta:

 

a) Nas idades Média e Moderna, a intensa religiosidade dos europeus permitia aos reis se apresentarem como possuidores de dons divinos, o que reforçava sua autoridade junto aos súditos.

 

b) A teoria do "Direito Divino" dos reis foi elaborada por Jacques Bossuet em seu livro "A Política Segundo as Sagradas Escrituras", estabelecendo que o rei deve ter poderes absolutos porque é escolhido por Deus, representante Dele entre os homens e, portanto, somente a Ele deve prestar contas dos seu atos.

 

c) Trata-se do mercantilismo, política econômica das Monarquias Nacionais, visando o enriquecimento do Estado através das atividades comerciais, e por conseguinte, o fortalecimento do poder real. Caracterizava-se pelo metalismo (acumulação de metais preciosos), pelo estímulo à balança comercial favorável, pelo protecionismo alfandegário, pelo intervencionismo e pela exploração de colônias.

 

 

 

 

20. (Unesp 2007)  A conquista sanguinária da América espanhola é dominada por [uma] paixão frenética. Rio da Prata, Rio do Ouro, Castela do Ouro, Costa Rica, assim se batizavam as terras que os conquistadores desvendavam ao mundo...

            (Paulo Prado. "Retrato do Brasil". 1928.)

 

A "paixão frenética" da conquista da América a que se refere o autor está relacionada

a) à irracionalidade da expansão comercial e marítima europeia, realizada sem conhecimentos tecnológicos adequados.   

b) às condições de crise econômica das populações nativas dominadas pelo império dos astecas e dos incas.   

c) à ação da burguesia espanhola que agiu isoladamente, dado o desinteresse do governo espanhol pelos territórios americanos.   

d) ao acordo entre banqueiros e sábios europeus para ampliar o conhecimento científico e facilitar a exploração econômica da região.   

e) ao esforço de solucionar a crise da economia europeia motivada pela escassez do meio circulante.   

 

 

Resposta:

 

[E]

 

 

 

 

21. (Fuvest 2006)  "Há duas vertentes básicas que estruturam a colonização portuguesa nos trópicos: o impulso salvífico (os móveis religiosos, a catequese) e os mecanismos de produção mercantil (exploração do Novo Mundo); sendo que a primeira dimensão (a catequese do gentio) dominava o universo ideológico, configurando o projeto, e a segunda (dominação política, exploração econômica) definia as necessidades de riqueza e poder".

            (Fernando Novais, "História da Vida Privada no Brasil", I.)

Com base no texto, explique

a) os motivos religiosos da Coroa portuguesa.

b) a exploração econômica da colônia.

 

 

Resposta:

 

a) A expansão da fé católica através da  catequese, com o propósito de salvação dos nativos da terra, considerados pagãos.

 

b) A exploração econômica da colônia, foi estruturada a partir dos pressupostos do mercantilismo, visando ao enriquecimento metropolitano, por meio da acumulação primitiva de capitais.

 

 

 

 

22. (Uel 2006)  A análise das economias americana e africana durante os séculos XVI, XVII e maior parte do XVIII só pode ser feita levando-se em consideração a existência de um sistema maior, o comercial europeu. Esse sistema dá sentido e completa um ciclo econômico, mediante a realização de suas três etapas constitutivas - a produção, a distribuição e o consumo.

            (Adaptado de: REZENDE FILHO, Cyro Barros. "História Econômica Geral". São Paulo: Contexto, 2001. p. 89.)

 

Com base no texto e nos conhecimentos sobre a expansão comercial europeia, é correto afirmar:

a) As relações econômicas desenvolvidas na América e na África devem ser compreendidas à parte do sistema comercial europeu.   

b) A economia americana difere da africana, porque esta última, em função de seu processo produtivo ainda comunitário, ficou excluída de uma das três etapas constitutivas do sistema comercial europeu: a produção.   

c) As etapas do ciclo econômico de produção, distribuição e consumo do sistema comercial europeu tiveram autonomia em relação à expansão comercial para a América e a África.   

d) Uma das peças-chave da economia europeia do período foi o chamado "sistema colonial", que tinha entre seus eixos fundamentais a exploração de colônias por meio do estabelecimento de monopólios.   

e) A influência do sistema comercial europeu nas economias americana e africana limitou-se ao período colonial em ambos os continentes.   

 

 

Resposta:

 

[D]

 

 

 

 

23. (Fgv 2006)  Nos anos 1526-50, antes do deslanche do tráfico para o Brasil, saía da Guiné-Bissau e da Senegâmbia uma média de mil cativos por ano. Cifra representando 49% dos indivíduos deportados do Continente Negro. Da África Central vinham outros 34%, enquanto 13% eram provenientes do golfo da Guiné. Versos célebres de Garcia de Rezende retratam o lucro e os fluxos do trato de africanos para Sevilha, Lisboa, Setúbal, Cabo Verde, Madeira, Canárias, São Tomé. E para o Caribe.

            (Luiz Felipe de Alencastro, "O Trato dos Viventes")

O impacto do processo descrito nas sociedades africanas foi a

a) introdução de práticas econômicas fundamentadas no liberalismo, desorganizando as antigas sociedades de auxílio mútuo.   

b) implantação da escravidão como modo de produção dominante, determinando a extinção da servidão anteriormente existente.   

c) implantação de redes internas de tráfico, com envolvimento de sociedades locais, que passam a ter nesse negócio uma fonte fundamental de recursos.   

d) introdução da escravidão nas sociedades africanas, que até então desconheciam qualquer forma de exploração do trabalho.   

e) dissolução do tradicional caráter igualitário predominante nas sociedades africanas, sendo substituído por regimes rigidamente hierarquizados.   

 

 

Resposta:

 

[C]

 

 

 

 

24. (Fgv 2005)  (...)

nenhuma mercadoria produzida ou fabricada na África, Ásia e América será importada na Inglaterra, Irlanda ou País de Gales, Ilhas Jersey e Guernesey, e cidade de Berwick sobre o Tweed, outros navios senão nos que pertencem a súditos ingleses, irlandeses ou galeses e que são comandados por capitães ingleses e tripulados por uma equipagem com três quartos de ingleses (...)

nenhuma mercadoria produzida ou fabricada no estrangeiro e que deve ser importada na Inglaterra, Irlanda, País de Gales, Ilhas Jersey e Guernesey deverá ser embarcada noutros portos que não sejam aqueles do país de origem

(...)

            (English historical documents, Apud Pierre Deyon, "O mercantilismo")

 

Esses são fragmentos do Ato de Navegação, que traz como decorrência para a Inglaterra

a) a perda de vastos territórios coloniais para a Holanda e Portugal, pois a marinha inglesa de guerra ficou inferiorizada.   

b) o apoio, de forma decisiva, na formação dos Estados Gerais da República das Províncias Unidas, hoje Holanda.   

c) o acirramento das rivalidades econômicas com os holandeses e o fortalecimento do comércio exterior inglês.   

d) o reforço do absolutismo da dinastia Tudor e a eclosão da Revolução Puritana, liderada pelos 'levellers'.   

e) a garantia da presença do capital inglês na exploração do ouro e das pedras preciosas em Minas Gerais.   

 

 

Resposta:

 

[C]

 

 

 

 

25. (Unesp 2004)  Parece-me cousa mui conveniente mandar Sua Alteza algumas mulheres que lá têm pouco remédio de casamento a estas partes, ainda que fossem erradas, porque casarão todas mui bem, com tanto que não sejam tais que de todo tenham perdido a vergonha a Deus e ao mundo. E digo que todas casarão mui bem, porque é terra muito grossa e larga (...) De maneira que logo as mulheres terão remédio de vida, e os homens [daqui] remediariam suas almas, e facilmente se povoaria a terra.

(Manuel da Nóbrega. Carta do Brasil,1549.)

 

Tendo como base a carta do padre Manuel da Nóbrega:

a) dê uma característica da colonização portuguesa nos seus primeiros tempos.

b) por que o jesuíta considera que as mulheres que viessem de Portugal teriam "remédio de vida" e os homens residentes na colônia "remediariam suas almas"?

 

 

Resposta:

 

a) Para os portugueses a colonização do Brasil tinha por finalidade ocupar e assegurar o efetivo controle da colônia e viabilizá-la economicamente através da exploração de uma atividade lucrativa, ocorrendo daí a introdução da produção açucareira.

b) Para as mulheres de "vida errada" o casamento dar-lhes-ia a redenção e respeito e para os homens, um casamento ratificado pela Igreja os livraria dos pecados ao deixarem de viver de forma promíscua com as mulheres nativas. 

 

 

 

 

26. (Uerj 2004)  Devemos sempre ter o cuidado de não comprar mais aos estrangeiros do que lhe vendemos.

(SMITH, Thomas, 1549 apud BRAUDEL, F. Os jogos das trocas. Lisboa: Cosmos, 1985.)

 

A afirmativa acima evidencia uma das principais características das práticas econômicas mercantilistas dos Estados absolutistas entre os séculos XV e XVIII.

a) Explique o significado de riqueza nacional na época do mercantilismo.

b) Justifique por que a ideia de balança de comércio favorável foi um fator que contribuiu para a colonização da América.

 

 

Resposta:

 

a) Durante a Idade Moderna, a riqueza nacional estava fundamentada na acumulação de metais preciosos, o metalismo. Sendo o comércio a atividade econômica preponderante, as nações europeias adotavam o protecionismo, a balança comercial favorável e o monopólio sobre o comércio de suas colônias, visando a obtenção e o controle da evasão dos metais.

 

b) Em razão dos entraves decorrentes das práticas protecionistas entre as nações europeias, as colônias além de fornecerem metais preciosos, gêneros tropicais e matérias-primas, absorviam manufaturas e outros produtos provenientes das metrópoles. Assim, através do "Pacto Colonial", as colônias americanas constituíam um elemento vital para  a balança comercial favorável e para o próprio enriquecimento da metrópole no contexto do mercantilismo.

 

 

 

 

27. (Fuvest 2004)  "O ouro e a prata que os reis incas tiveram em grande quantidade não eram avaliados [por eles] como tesouro porque, como se sabe, não vendiam nem compravam coisa alguma por prata nem por ouro, nem por eles pagavam os soldados, nem os gastavam com alguma necessidade que lhes aparecesse; tinham-nos como supérfluos, porque não eram de comer. Somente os estimavam por sua formosura e esplendor e para ornamento [das casas reais e ofícios religiosos]".

            Garcilaso de la Vega, Comentários Reais, 1609.

 

Com base no texto, aponte:

a) As principais diferenças entre o conjunto das ideias expostas no texto e a visão dos conquistadores espanhóis sobre a importância dos metais preciosos na colonização.

b) Os princípios básicos do mercantilismo.

 

 

Resposta:

 

a) Para os incas estruturados uma economia agrária e amonetária, os metais preciosos só tinham importância na confecção de adornos, já para os espanhóis estruturados na economia capitalista mercantilista e organizados num Estado Absolutista, a acumulação de metais preciosos representava a mais importante fonte de riqueza e poder, sobretudo do Estado.

b) Metalismo ou bulionismo (acumulação de metais preciosos), balança comercial favorável, protecionismo alfandegário, intervencionismo estatal na economia e exploração de colônias (sistema colonial) pelas potências econômicas europeias (metrópoles).

 

 

 

 

28. (Unesp 2003)  No Brasil, costumam dizer que para os escravos são necessários três PPP, a saber, "pau", "pão" e "pano". E, posto que comecem mal, principiando pelo castigo que é o pau, contudo, prouvera a Deus que tão abundante fosse o comer e o vestir como muitas vezes é o castigo.

            (André João Antonil, "Cultura e opulência do Brasil por suas drogas e minas", 1711)

 

a) Qual a crítica ao sistema escravista feita pelo autor do trecho apresentado?

b) Indique dois motivos que explicam a introdução da escravidão negra na porção americana do Império português.

 

 

Resposta:

 

a) O autor enfatiza a violência no tratamento dado aos escravos, a mesquinhez na alimentação e no vestuário - evidenciando a brutalidade da exploração da mão de obra escrava no Brasil Colônia.

b) Falta de mão de obra portuguesa que suprissem as necessidades da produção colonial. Os lucros proporcionados pelo tráfico negreiro eram um importante fator para a acumulação primitiva de capitais na metrópole.

 

 

 

 

29. (Fuvest 2003)  Ao longo do século 17, vegetais americanos como a batata-doce, o milho, a mandioca, o ananás e o caju penetraram no continente africano. Isso deve ser entendido como

a) parte do aumento do tráfico negreiro, que estreitou as relações entre a América Portuguesa e a África e fez do sistema sul-atlântico o mais importante do ImpérioPortuguês.   

b) indício do alinhamento crescente de Portugal com a Inglaterra, que pressupunha a consolidação da penetração comercial no interior da África.   

c) fruto de uma política sistemática de Portugal no sentido de anular a influência asiática e consolidar a americana no interior de seu império.   

d) imposição da diplomacia adotada pela dinastia dos Braganças, que desejava ampliar a influência portuguesa no interior da África, região controlada por comerciantes espanhóis.   

e) alternativa encontrada pelo comércio português, já que os franceses controlavam as antigas possessões portuguesas no Oriente e no estuário do Prata.   

 

 

Resposta:

 

[A]

 

 

 

 

30. (Unesp 2003)  Não há a menor dúvida de que as guerras cada vez mais dispendiosas contribuíram para o desenvolvimento do mercantilismo. Com a ampliação da artilharia, dos arsenais, das marinhas de guerra, dos exércitos permanentes e das fortificações, as despesas dos Estados modernos dão um salto. Guerras pressupõem dinheiro e mais dinheiro, e assim a posse de dinheiro, a acumulação de metais nobres, torna-se uma mania e domina, como última conclusão de toda sabedoria, o pensamento e o juízo.

(F. Braudel, citado em R. Kurz, "O colapso da modernização".)

 

A política econômica predominante na época do Absolutismo ficou conhecida com o nome de mercantilismo, cujo maior expoente foi Colbert, ministro de Luís XIV, rei da França.

a) Além da política econômica que era estimulada por guerras, como demonstra o texto de Fernand Braudel, quais as características principais da economia mercantilista?

 

b) Em oposição às teorias mercantilistas, surgiram as teorias dos Fisiocratas e dos Liberais. Explique as ideias principais de cada uma dessas teorias econômicas.

 

 

Resposta:

 

a) - Metalismo (princípio da acumulação de metais preciosos como base da riqueza nacional);

- Balança comercial favorável (superavit das exportações sobre as importações);

- Intervencionismo Estatal (regulamentação das atividades econômicas pelo Estado);

- Protecionismo (taxação sobre os importados, a fim de proteger a produção nacional);

- Sistema colonial (exploração de colônias como fator de acumulação capitalista nas metrópoles).

 

b) Tanto os fisiocratas como os liberais defendiam a não-intervenção do Estado na economia, combatendo portanto o mercantilismo.

Para os fisiocratas os recursos naturais constituíam a base da riqueza nacional, enquanto para os liberais, (representados por Adam Smith) o trabalho é a fonte de todas as riquezas.

 

 

 

 

31. (Unesp 2003)  Um mercantilista inglês escreveu: Os meios ordinários para aumentar nossa riqueza e tesouro são pelo comércio exterior, para o que devemos obedecer sempre a esta regra: vender mais aos estrangeiros em valor do que consumimos deles.

            (Thomas Mun, "Discourse on England's Treasure by Foreing Trade", 1664)

 

a) O autor desse fragmento exprime um princípio essencial da política mercantilista. Era através dele que os mercantilistas explicavam a origem da riqueza dos estados. Que princípio era este?

b) Por que as áreas coloniais da América foram fundamentais para a satisfação desse princípio mercantilista?

 

 

Resposta:

 

a) Balança comercial favorável .

b) Graças ao monopólio metropolitano sobre o comércio colonial, a metrópole mantinha uma balança comercial favorável em relação à colônia, o que favorecia a acumulação primitiva de capitais na Europa.

 

 

 

 

32. (Fgv 2003)  O mercantilismo correspondeu a:

a) um conjunto de práticas e ideias econômicas baseadas em princípios protecionistas.   

b) uma teoria econômica defensora das livres práticas comerciais entre os diversos países.   

c) um movimento do século XVII que defendia a mercantilização dos escravos africanos.   

d) uma doutrina econômica defensora da não intervenção do Estado na economia.   

e) uma política econômica, especificamente ibérica de defesa de seus interesses coloniais.   

 

 

Resposta:

 

[A]

 

 

 

 

33. (Unicamp 2003)  Os primeiros escravos negros chegaram ao Novo Mundo bem no início do século XVI. Por três séculos e meio as principais potências marítimas competiram entre si em torno do lucrativo tráfico de escravos, que levou aproximadamente dez milhões de africanos para as Américas. (Adaptado de David Brion Davis, "O problema da escravidão na cultura ocidental". Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2001, p. 24.)

 

a) Cite uma das principais potências europeias que traficava escravos nos séculos XVII e XVIII.

b) Caracterize o comércio triangular entre Europa, África e América neste período.

c) Quais as consequências, para a África, do tráfico negreiro?

 

 

Resposta:

 

a) Inglaterra.

b) Transporte de algodão em fibra, das colônias inglesas de exploração para a Inglaterra; remessa de tecidos de algodão ingleses para escambo de escravos na África; e transporte de escravos africanos para as colônias norte-americanas de exploração.

c) Emigração forçada de milhões de africanos e inserção da África no quadro do capitalismo comercial durante a Idade Moderna.

 

 

 

 

34. (Unicamp 2002)  O trecho a seguir foi adaptado de "Roteiro do Maranhão a Goiaz", um escrito anônimo de 1780:

 

As colônias são estabelecidas para a utilidade da Metrópole. Os habitantes da colônia devem ocupar-se em cultivar e adquirir as produções naturais, ou matérias-primas, que serão exportadas para a Metrópole, a qual não só irá se servir delas, mas, aperfeiçoando-as, poderá também tirar das colônias o preço da mão de obra e comercializar o supérfluo com as nações estrangeiras.

 

a) Caracterize as funções das colônias do ponto de vista das metrópoles.

 

b) De acordo com o texto, como as metrópoles utilizavam a produção colonial?

 

c) Descreva, a partir do texto, o processo de obtenção do lucro pelas metrópoles.

 

 

Resposta:

 

a) No Antigo Sistema Colonial (ou Sistema Colonial Tradicional) a função das colônias era enriquecer as metrópoles através do fornecimento de produtos ao comércio e de metais preciosos, e da aquisição de escravos e manufaturas.

 

b) As metrópoles comercializavam a produção das colônias no mercado europeu e nos mercados internos.

 

c) Através da comercialização dos produtos coloniais e do fornecimento de mão de obra às colônias através do tráfico negreiro, as metrópoles fomentavam o mercantilismo assegurando lucros ao Estado e à burguesia.

 

 

 

 

35. (Fgv 2002)  "O espaço fechado e o calor do clima, a juntar ao número de pessoas que iam no barco, tão cheio que cada um de nós mal tinha espaço para se virar, quase nos sufocavam. Esta situação fazia-nos transpirar muito, e pouco depois o ar ficava impróprio para respirar, com uma série de cheiros repugnantes, e antiga os escravos como uma doença, da qual muitos morriam".

                        Relato do escravo Olaudah Equiano. Apud ILIFFE, J., "Os africanos. História dum continente". Lisboa, Terramar, 1999, p.179.

 

A respeito do tráfico negreiro, é CORRETO afirmar:

a) Foi praticado exclusivamente pelos portugueses que obtiveram o direito de asiento, ou seja, direito ao fornecimento de escravos às plantações tropicais e às minas da América espanhola e anglo-saxã.   

b) Tornou-se uma atividade extraordinariamente lucrativa e decisiva no processo de acumulação primitiva de capitais que levou ao surgimento da sociedade industrial.   

c) Foi combatido pelos holandeses à época de sua instalação em Pernambuco, o que provocou a revolta da população luso-brasileira em meados do século XVII.   

d) Tornou-se alvo de divergências entre dominicanos, que defendiam o tráfico e a escravidão dos africanos, e os jesuítas, contrários tanto ao tráfico quanto à escravidão.   

e) O aperfeiçoamento do transporte registrado no século XIX visava diminuir a mortandade dos escravos durante a travessia do Atlântico, atenuava as críticas ao tráfico e ainda ampliava a margem de lucros.   

 

 

Resposta:

 

[B]

 

 

 

 

36. (Unicamp 2001)  Uma jogadora de vôlei do Brasil nas Olimpíadas de Sidney fez esta declaração à imprensa: "Agora vamos pegar as cubanas, aquelas negas, e vamos ganhar delas" ("O Estado de S. Paulo", 27/09/2000). Ainda segundo o jornal: "A coordenadora do Programa dos Direitos Humanos do Instituto da Mulher Negra classifica as palavras da atacante como preconceituosas e alerta as autoridades para erradicarem esse tipo de comportamento, combatendo o racismo".

 

a) Compare os processos de colonização ocorridos em Cuba e no Brasil, apontando suas semelhanças.

 

b) Qual a atividade econômica predominante em Cuba e no Nordeste brasileiro durante a colonização e suas relações com o comércio internacional?

 

c) Qual a condição social dos negros no Brasil depois do fim da escravidão?

 

 

Resposta:

 

a) Em ambos os casos acorreu a colonização de exploração organizada a partir do latifúndio agroexportador e escravista, estrutura adequada aos objetivos mercantilistas das metrópoles ibéricas.

 

b) Tanto em Cuba como no Brasil no período colonial, predominou a agroindústria do açúcar como principal atividade econômica, sendo o produto destinado a abastecer o mercado europeu.

 

c) A publicação da Lei Áurea em 1888, extinguindo a escravidão não assegurou aos negros o pleno exercício da cidadania mantendo-os marginalizados. A discriminação e o preconceito racial, existentes ainda hoje, evidenciam a não superação plena da marginalização dos negros no Brasil.

 

 

 

 

37. (Unesp 2001)  "Este Estado do Brasil... tem gente, os mercadores, que trazem do Reino as suas mercadorias a vender a esta terra e comutar por açúcares, do que tiram muito proveito.

            ("Diálogos das grandezas do Brasil", 1618.)

 

Baseando-se no trecho, responda.

 

a) Como era realizado o comércio do Brasil Colônia?

 

b) Além dos mercadores, qual outra camada social era beneficiada na colônia brasileira?

 

 

Resposta:

 

a) Com Portugal, dentro do regime de monopólio (exclusivo) associado à política econômica mercantilista. Em determinados casos, o comércio era intermediado pelas companhias privilegiadas, como a Cia. de Comércio do Brasil e a Cia. de Comércio de Pernambuco e Paraíba.

 

b) Aristocracia rural (elite agrária), representada principalmente pelos senhores-de-engenho.

 

 

 

 

38. (Fgv 2001)  Leia atentamente as afirmações abaixo, sobre mercantilismo, e assinale a alternativa correta.

 

I. São característica essenciais do mercantilismo: o monopólio, o protecionismo e a balança comercial favorável.

II. O objetivo fundamental do mercantilismo, como política de acumulação de capitais, é a livre concorrência sem a intervenção do Estado-nação.

III. As medidas da política econômica mercantilista foram idênticas em todos os países da Europa durante os séculos XVI, XVII e XVIII.

IV. O Pacto Colonial está no contexto das práticas mercantilistas.

V. O insucesso da política mercantilista expressa-se pela permanência da política bulionista por três séculos.

a) apenas I e III estão corretas;   

b) apenas II e IV estão corretas;   

c) apenas II e V estão corretas;   

d) apenas III e V estão corretas;   

e) apenas I e IV estão corretas.   

 

 

Resposta:

 

[E]

 

 

 

 

39. (Uerj 2001)  ENTRADAS DE OURO E PRATA AMERICANOS NA CASA DE CONTRATAÇÃO DE SEVILHA

Utilizando as informações contidas na tabela, explique a razão do poderio econômico da Espanha de meados do século XVI até o início do XVII.

 

 

Resposta:

 

O poderio econômico espanhol foi resultado da prática de acumulação de metais, característica do Mercantilismo, em virtude do grande afluxo de prata e ouro da América.

 

 

 

 

40. (Fuvest 2000)  Durante a Idade Moderna, pensava-se que todas as riquezas do mundo estavam numa posição estática e constante, razão pela qual o comércio era tido como uma atividade em que havia um ganhador e um perdedor, sendo o seu resultado equivalente a uma soma zero (+1-1=0). Baseando-se nestes princípios, os Estados modernos atuaram no comércio internacional sob a orientação de uma política econômica.

 

a) Que nome foi dado a esta política econômica?

 

b) Quais foram seus principais elementos constitutivos?

 

 

Resposta:

 

a) Mercantilismo

 

b) Metalismo, balança comercial favorável, protecionismo monopólios estatais, intervencionismo do Estado na regulamentação da economia e exploração de colônias (Sistema Colonial).

 

 

 

 

41. (Uerj 1998)              Balança fecha com deficit de US$ 315 milhões

 

O governo está comemorando o deficit de US$ 315 milhões na balança comercial do mês passado, bem abaixo do saldo negativo de US$ 811 milhões registrado em julho.

                                               (O GLOBO, 02/09/97)

                                              

A notícia acima identifica uma preocupação do governo em obter um saldo positivo nas correntes de comércio. Essa preocupação, no entanto, não é nova.

Na Idade Moderna - séculos XV ao XVIII, a formulação da ideia de uma balança favorável era decorrente das práticas econômicas ligadas ao:

a) mercantilismo   

b) fisiocratismo   

c) cameralismo   

d) metalismo   

 

 

Resposta:

 

[A]

 

 

 

 

42. (Uel 1998)  "A exploração de suas colônias foi orientada por (...) essas políticas que se traduziam na exploração intensa dos recursos naturais (...) e na defesa do monopólio de comércio, o chamado exclusivo comercial. Assim, todos os produtos que chegavam à colônia ou saíam dela tinham de passar pela metrópole, concretizando sua sujeição absoluta ao Estado explorador..."

Pode-se associar às políticas a que o texto se refere o

a) liberalismo.   

b) fisiocratismo.   

c) corporativismo.   

d) mercantilismo.   

e) socialismo.   

 

 

Resposta:

 

[D]

 

 

 

 

43. (Unicamp 1998)  No período histórico que se estende entre os séculos XVI e XVIII, com o fim do feudalismo e a consolidação dos Estados Nacionais, a doutrina econômica dominante foi o mercantilismo, que possuía como uma de suas características o metalismo.

 

a) Cite e explique duas outras características da doutrina mercantilista.

b) Em que consistia o metalismo?

 

 

Resposta:

 

a) Intervencionismo estatal na economia, determinando monopólios, taxas, privilégios e regulamentações. Balança Comercial Favorável: incentivo às exportações em detrimento das importações.

b) Acúmulo de metais preciosos para a cunhagem de moedas.

 

 

 

 

44. (Mackenzie 1997)  A função histórica das colônias era completar a economia das metrópoles; no caso brasileiro, a atividade econômica que iniciou este papel histórico foi:

a) a criação de gado, facilitando a penetração e povoamento do sertão.   

b) a cana-de-açúcar, produto em expansão no mercado europeu, que permitiu a ocupação efetiva da colônia.   

c) a exploração do ouro, fato que consolidou o modelo metalista de mercantilismo português.   

d) a exploração de drogas do sertão, utilizando trabalho indígena através de missões jesuíticas.   

e) a produção de gêneros de primeira necessidade voltados para o mercado interno.   

 

 

Resposta:

 

[B]

 

 

 

 

45. (Fgv 1997)  Qual das alternativas a seguir NÃO é uma consequência do "arrocho" na política colonial das metrópoles europeias ocorrido no final do século XVIII:

a) um rigoroso controle fiscal sobre o chá que os súditos ingleses comerciavam;   

b) a proibição de manufaturas no Brasil;   

c) a independência dos Estados Unidos;   

d) a expansão da agricultura açucareira;   

e) a censura aos livros de proveniência francesa.   

 

 

Resposta:

 

[D]

 

 

 

 

46. (Fuvest 1997)  Nos dois séculos iniciais da era moderna (XV e XVI), a Itália e a Espanha ocupavam posição de liderança na Europa, e a Holanda e a Inglaterra tinham um papel secundário; nos dois séculos seguintes, essas posições se inverteram.

Indique as razões dessa inversão.

 

 

Resposta:

 

A decadência das cidades italianas com a transferência do eixo econômico do Mediterrâneo para o Atlântico. Decadência da mineração nas colônias espanholas e do Império Habsburgo.

 

 

 

 

47. (Mackenzie 1997)  Durante o século XVI a chegada à Europa de grande quantidade de prata e ouro provenientes das Colônias Espanholas na América provocou:

a) o desenvolvimento de manufaturas nos países da Península Ibérica.   

b) um deficit financeiro das metrópoles nas relações comerciais com suas colônias.   

c) um processo inflacionário denominado "revolução dos preços".   

d) a desestruturação do sistema mercantil e o fim da acumulação primitiva de capital.   

e) a instituição de moedas nacionais como padrões nas trocas internacionais.   

 

 

Resposta:

 

[C]

 

 

 

 

48. (Mackenzie 1996)  A política econômica do Capitalismo Comercial denominada mercantilismo ficou conhecida pelo estímulo:

a) à exportação, em detrimento das importações, sob forte intervenção estatal na economia e exclusividade de comércio entre metrópole e colônia.   

b) ao individualismo econômico baseado no governo da natureza, e tendo a agricultura como principal produtora de riqueza.   

c) à plena liberdade de concorrência, regulamentando a produção com base na lei da oferta e da procura e nas atividades exclusivas de comércio entre metrópole e colônia.   

d) à reorganização da sociedade com base nas importações, desregulamentação da economia e liberdade de comércio entre metrópole e colônia.   

e) à balança comercial favorável através da produção agrícola e relações comerciais independentes entre colônia e metrópole.   

 

 

Resposta:

 

[A]

 

 

 

 

49. (Fgv 1995)  O metalismo, a doutrina da balança comercial favorável, o industrialismo, o protecionismo e o colonialismo constituem as características básicas do:

a) Neoliberalismo.   

b) Intervencionismo.   

c) Socialismo.   

d) Liberalismo.   

e) Mercantilismo.   

 

 

Resposta:

 

[E]

 

 

 

 

50. (Unesp 1992)  A transição gradativa do Mundo Medieval para o Mundo Moderno dependeu da conjugação de inúmeros fatores, europeus e extra-europeus, que ganharam dimensões e características novas. A inserção do Mundo não-europeu no contexto do colonialismo mercantilista, inaugurado pelos grandes descobrimentos, contribuiu para:

a) a aceitação, sem resistência, da tutela cultural que o europeu pretendeu exercer sobre os povos da África e da Ásia.   

b) acarretar profunda contenção na expansão civilizatória do Mundo Pré-Colombiano.   

c) o indígena demonstrar sua inadaptabilidade racial para o trabalho.   

d) que o tráfico negreiro, operação comercial rentável, fosse determinado pela apatia e preguiça do ameríndio.   

e) a montagem de modelo político-administrativo caracterizado pela não intervenção do Estado Absoluto na vida das colônias.   

 

 

Resposta:

 

[B]

 

 

 

 

51. (Unesp 1992)  "Desejando tratar favoravelmente o senhor Van Robais e servir-me dele como exemplo para atrair os estrangeiros que primam em qualquer espécie de manufatura, a fim de que venham estabelecer-se em nosso Reino, pedimos ao Prefeito e aos Magistrados que lhe forneçam alojamentos convenientes para a instalação dos teares... Queremos que ele [Van Robais] e os trabalhadores estrangeiros sejam considerados súditos do Rei e naturalizados... Ele será ainda isento de impostos, da corveia e de outros encargos públicos durante a vigência da presente concessão... Permitimos a esse empresário e aos operários que continuem a professar a religião reformada... Proibimos a outras pessoas imitar ou falsificar a marca dos ditos tecidos, pelo prazo de vinte anos, bem como que se estabeleçam na cidade de Abbeville e a dez léguas de seus arredores oficinas de tecelagem semelhantes... ".

            (Luís XIV, ao autorizar o estabelecimento de manufatura em Abbeville, no ano de 1651).

 

Apoiando-se no documento acima, ofereça subsídios para a compreensão da política econômica denominada colbertista.

 

 

Resposta:

 

Colbert implantou uma política para favorecer o desenvolvimento manufatureiro e comercial da França dentro do quadro do Antigo Regime.

 

 

 

 

52. (Unesp 1991)  Procure caracterizar a política econômica mercantilista na fase de expansão comercial e marítima europeia.

 

 

Resposta:

 

Impulsionada pelo metalismo, a busca por soluções às crises econômicas e a obtenção de especiarias entre outras. Os estados nacionais centralizados associaram-se à burguesia e praticaram a expansão.

 

 

 

 

53. (Fuvest 1987)  No processo histórico de Portugal o Tratado de Methuen consolidou a:

a) subordinação econômica de Portugal à Inglaterra.   

b) prosperidade da indústria nacional portuguesa.   

c) liberdade de comércio entre as colônias portuguesas e inglesas.   

d) posse das terras situadas além do meridiano de Tordesilhas.   

e) supremacia da França como principal parceira comercial de Portugal.   

 

 

Resposta:

 

[A]

 

 

 

 

54. (Fuvest 1987)  Uma das características do Mercantilismo, política econômica do capitalismo comercial, foi:

a) liberalismo econômico.   

b) protecionismo estatal.   

c) eliminação do metalismo.   

d) oposição ao absolutismo.   

e) restrição às exportações.   

 

 

Resposta:

 

[B]

 

 

 

 

55. (Fuvest 1985)  É característica da economia holandesa, na primeira metade do século XVII:

a) a preponderância das atividades comerciais e financeiras, com a formação de importante frota naval.   

b) o predomínio do setor industrial na economia, em detrimento das atividades comerciais.   

c) a formação de companhias de comércio, dando início ao liberalismo econômico.   

d) o aproveitamento exclusivo de rotas fluviais, consolidando a hegemonia econômica na Europa Oriental.   

e) a inexistência de agricultura e pesca, conduzindo à dependência dos países fornecedores.   

 

 

Resposta:

 

[A]